Alivie as dívidas, renegocie

Você está devedor com o cheque especial, cartão de crédito ou algum empréstimo que tenha feito e não está conseguindo colocá-lo na normalidade?

Então, alivie as dívidas e renegocie.

Infelizmente, cada vez mais pessoas têm se envolvido em dívidas financeiras e não têm condições de pagá-las, por mais que se esforcem, por mais que tentem de todas as formas possíveis.

É extremamente difícil e constrangedor ficar sabendo que o seu nome integra a relação de inadimplentes de alguma empresa, ou está nos cadastros restritivos, como SPC, Serasa entre outros.

Caso você esteja vivendo tal situação e queira sair, neste artigo, tento transmitir algumas formas de minimizar o seu sofrimento ou quem sabe acabar com ele por completo.

São dicas básicas e possíveis de serem seguidas e possíveis, com certeza, de melhorar a situação financeira dos que as seguirem.

Portanto, alivie as dívidas e renegocie de forma consciente seguindo as nossas dicas.

Tenha a mais absoluta certeza: você não é o único devedor no mundo, então não se culpe, não se torture, não se considere a pior das criaturas, pois armadilhas financeiras existem aos montes mas você poderá sair delas.

A inadimplência comercial e bancária é alarmante e face a este verdadeiro tsunami de inadimplentes, bancos e financeiras, operadoras de cartão de crédito, lojas comerciais, enfim, todas as empresas ligadas à concessão de crédito, permitem a renegociação dos créditos concedidos.

Por mais que à primeira vista aleguem a impossibilidade de se renegociar o crédito concedido, bata o pé e exija melhores condições e, o mais importante, uma prestação menor.

Pois não é interessante para tais empresas renunciarem a um possível acordo e virem todo o crédito perdido, sem nenhuma possibilidade de recebimento ou então ingressarem com a cobrança judicial, normalmente cara e demorada para tentar solucionar cada pendência financeira.

É muito mais compensador para os credores aceitarem uma nova proposta de crédito para quitar os débitos que não puderam ser cumpridos com pontualidade pelo tomador do que ser totalmente inflexível e perder o dinheiro e o cliente.

Se o tomador do crédito está procurando a empresa é porque está com boa vontade de chegar a um consenso e regularizar a situação, então é normal que a empresa também demonstre tal boa vontade e faça uma renegociação com condições menos onerosas para que o devedor tenha condições de quitar o seu compromisso.

Portanto, procure seguir estas dicas no momento de renegociar a sua dívida:

  • Se você está com dificuldades para pagar, não fique protelando uma renegociação, se atrasou uma parcela não espere vencer a segunda e a terceira. Pois se uma parcela já foi pesada para você, imagine acumulando-as, não terá a mínima condição de saldá-las;
  • É importante ter a exata consciência de que tal prestação é impossível para a renda que você possui e então não hesite em procurar a empresa que lhe concedeu tal crédito e exija uma renegociação ou um outro empréstimo, com prazo maior ou juro menor, para que ocorra uma redução no valor da prestação e você possa saldá-la com mais facilidade;
  • Utilize todos os recursos financeiros disponíveis no momento para reduzir o valor do saldo devedor e tentar acarretar uma redução na parcela. Lembra aquela pequena conta-poupança que estava esquecida? Então, saque-a e utilize para reduzir a sua dívida, pois quando se deve, o importante é pagar as nossas obrigações, que sempre possuem juros mais altos do que os baixos juros dos investimentos. Não tem cabimento, ficar devendo cartão de crédito ou cheque especial enquanto se tem dinheiro na poupança. Isto é absurdo. Alivie as dívidas, pagando-as quando com recursos;
  • Tente conseguir uma taxa de juros menor, pois por mais que neguem tal possibilidade, via de regra, existe. Há uma flexibilidade neste quesito e conseguir um juro menor é imprescindível neste momento da transação. Portanto, negocie tal possibilidade, pois de nada adianta você renegociar a sua dívida se no novo contrato você também não tiver condições de cumpri-lo de forma adimplente;
  • Você, renegociando as suas dívidas, deve necessariamente exigir que o seu nome e CPF saiam dos cadastros restritivos ao crédito (SPC e SERASA) e isto acontecendo você, novamente, terá as portas abertas ao crédito, comprando a prazo, tendo cartão de crédito, cheque especial e todos os produtos possíveis.

Porém, procure utilizá-los de forma prudente e coerente, para evitar adentrar em outras armadilhas financeiras e ficar impossibilitado de sair novamente. Portanto, há a opção de renegociação em dívidas que se mostram insuportáveis para o tomador e isto permite que se alivie as dívidas e você tenha uma maior possibilidade de pagar de forma adimplente.

Por Denilson Garcia dos Santos

[Este artigo faz parte de uma série de artigos que compõe o curso Finanças Pessoais]

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Quer receber nossos artigos em seu e-mail e "de quebra" baixar nossos e-books "Manual do Investidor" e "Como Ficar Rico - dicas, dúvidas e comentários"?

E-mail:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Email
Print