Archive for Desafio 30 dias

Aprendendo Espanhol em 30 dias – 20 dias já se passaram

Como seria sua vida se a cada mês alcançasse uma grande meta diferente? Pois bem, é isso que estou tentando descobrir com este desafio. Caso ainda não saiba, eu decidi aprender espanhol em 30 dias e já se passaram 20 dias. Posso dizer que os primeiros 10 dias foram bem interessantes, mas não há como negar que ainda estou tentando manter o ritmo.

Aprender espanhol em 30 dias. Desafio aceito!

Tenho o ato de escrever a cada 10 dias como parte de meu plano de ação e, para aqueles que gostam da resposta curta, aqui vai:

1. Elimine seus vícios e aumente sua produtividade: desinstalar dois jogos, usar o Toggl e voltar a focar em meu aprendizado foram essenciais para não ver esse desafio ir de vez para o ralo;
2. Escolha um bom método e fixe nele: a versão paga do Busuu tem se mostrado cada vez mais interessante, tanto que o Duolingo (gratuito) está meio que “juntando poeira”, pois descobri que o Busuu permite reforço de aprendizado (técnicas de memorização) e é muito útil a correção das atividades por nativos;
3. Ainda uso o Anki para reforço e memorização;
4. Audiolivros são uma ótima forma de reforçar a compreensão auditiva;
5. Comece aulas de conversação tão cedo quanto for possível!

Enfim, é isso. Agora, para os meus leitores que gostam de ler toda a história e assim melhor compreender o porquê de cada decisão/conselho, vamos por partes…

Elimine seus vícios e aumente sua produtividade

Cara, aquele jogo para dispositivos móveis Mobile Strike estava realmente ferrando meu tempo livre: o pior é que eu percebia isso, desinstalava, reinstalava e voltava a jogar! Na verdade o que realmente me levou a desinstalá-lo de vez foi o seu modelo “pay-to-play” que, como comentei com alguns alunos meus no Instituto, pode ser terrível para qualquer game business no longo prazo.

Enfim, continuei jogando o maldito até que pela QUARTA VEZ meu comandante foi eliminado pelo mesmo oponente e então fiz as contas: já gastei $5.00 e não me sinto à vontade para gastar outros $20.00 e é óbvio que somente gastando uns $99.00 (maior pacote do jogo) eu poderia realmente competir com os primeiros (e eu sou bastante competitivo!). Conclusão: caí fora antes de fazer mais besteira.

É uma pena, é um bom jogo que, se não fosse tão massivamente “pay-to-play” seria bem divertido. Mas para mim foi bom: já há alguns dias sem mexer nesse jogo, consegui retornar à minha rotina de estudos e recuperar algumas das horas perdidas.

Outra coisa que me ajudou bastante foi utilizar a ferramenta Toggl para gerenciar minha produtividade. Como ela funciona? Toda vez que inicio uma nova tarefa, descrevo-a nela e clico no botão para iniciar registro do tempo e, quando a concluo, clico para parar. Assim, ela mantém um registro das tarefas desenvolvidas ao longo do meu dia/semana/mês/vida e eu tornou-se um banho de água fria em mim quando estou esquecendo de meu principal objetivo este mês – aprender espanhol!

Segundo relatório mensal do Toggl, até o momento tenho estudado cerca de 40 horas e 44 minutos, o que me dá uma média de duas horas por dia – você deve estar achando isso um valor incrível, bem, para mim não é, considerando-se que desperdicei duas horas lendo tirinhas na web, algum outro tempo com redes sociais e um montão de horas naquele jogo! Argh!

Mas valeu a pena: errei, aprendi e sigo em frente agora. Tentarei intensificar o ritmo e alcançar, quiçá, três horas diárias. O que não significa muito, pois três horas diárias ao longo de 30 dias não chegam nem a 100 horas de estudos da língua! Resumindo: foco, foco e foco!

Definição/escolha de um bom método é essencial

Quando paguei por um ano de Busuu eu estava desconfiado de que talvez não valesse a pena, afinal de contas há muito conteúdo gratuito por aí. Mas como o foco é espanhol e a maioria dos aplicativos gratuitos focam em inglês ou apresentam poucas lições/vocabulário para esta língua, acabou sendo uma ótima ideia pagar pelo mesmo (até porque consegui em um baita descontão 🙂 ).

Vou lembrar aqui que, quanto a opções gratuitas para aprender espanhol, Duolingo e Busuu ainda são as melhores opções que identifiquei, então se você não quer gastar dinheiro, recomendo que instale e treine com ambos.

A princípio achei estranha a dinâmica do Busuu mas acabei me acostumando e até gostando, funciona mais ou menos assim:

1. Todo o conteúdo é dividido em quatro seções/níveis: Iniciante A1, Básico A2, Intermediário B1 e Intermediário Avançado B2;
2. Cada seção é composta por várias lições e algumas revisões;
3. As lições mesclam treino de novos vocábulos, um pouco de gramática, exercícios de fixação, dicas sobre uso de expressões em vários países, mais exercícios de fixação, exercícios com diálogos e uma atividade final em que deve escrever ou falar no idioma alvo – essa atividade será corrigida por nativos daquele idioma;
4. Ao final de cada seção/nível, você pode realizar uma prova online para receber um certificado da McGraw Hill Educacion.

Quanto aos certificados, já conquistei os certificados A1 (Iniciante) e A2 (Básico). Estou um pouco atrasado, já devia ter conseguido pelo menos três a fim de terminar todo o curso antes de completar 25 dias, para então intensificar o treino de conversação – que, aliás, ainda nem comecei (meu maior erro)!

Se você usar tal plataforma para aprender, aqui vão umas dicas:

  • Tente acelerar nas lições dos dois primeiros níveis e não se desestimule: a coisa toda fica bem mais interessante a partir do terceiro nível;
  • Nos cartões que apresentam novos vocábulos, marque com estrela aqueles que você desconhece ou forem mais difíceis, assim poderá reforçá-los facilmente usando a opção “Revisar”;
  • Repita em voz alta cada palavra/frase pronunciada pelo aplicativo bem como leia em voz alta os textos de perguntas e respostas – muitos dos que desejam treinar uma nova língua não o fazem e depois reclamam que não conseguem falar!
  • Os diálogos podem ser lidos e ouvidos quantas vezes quiser, assim sendo, para tirar melhor proveito deles recomendo que na primeira vez sempre ouça com os olhos fechados, isto é, sem ler o texto, tentando compreender somente a partir do que ouve e, em seguida, ouça todo o diálogo novamente, desta vez acompanhando a leitura. Você pode ouvir mais de uma vez com os olhos fechados, se assim preferir!
  • Nas atividades finais (aquelas em que deve escrever ou falar algo), não seja preguiçoso e escreva ou fale o máximo que puder, como se estivesse realmente conversando com um nativo: quanto mais escrever/falar, mais coisas poderão corrigir-lhe e assim aprenderá muito melhor. Além disso, você ganhará muito mais autoconfiança do que se você se mantiver naquele limite de 10 palavras;
  • Você sabia que você pode refazer aquelas atividades finais? Assim sendo, esporadicamente revisite uma das que você já respondeu e dê uma nova resposta mais completa e detalhada, assim poderá receber novo feedback sobre seu progresso;
  • Corrija as atividades finais de outras pessoas. Lembre-se que são pessoas como você, nativas de um país que “habla” o idioma que deseja que estão corrigindo, assim sendo devolva tal contribuição para a comunidade corrigindo atividades referentes à língua portuguesa, por exemplo.
  • Foco no reforço e memorização

    Como estamos aprendendo um novo idioma em um tempo muito curto (30 dias somente!) é comum nossa dificuldade em assimilar termos novos na velocidade em que desejamos. Para resolver isso, é necessário empregar algum mecanismo para reforçar e ajudar na memorização – e eu já disse aqui que flashcards podem ajudar nisso.

    Sim, ainda estou usando o Anki para tal missão. Reduzi um pouco o ritmo pois agora também uso o “Revisar” do Busuu, mas ainda adiciono muitas novas palavras no Anki. Aliás, tenho em minha frente pelo menos 50 novas palavras e expressões para adicionar no mesmo.

    Lembre-se: uma ferramenta não anula a outra. Apesar de serem bem úteis os mecanismos de revisão do Busuu, o Anki se utiliza muito bem da técnica de repetição espaçada e me permite que adicione facilmente um monte de novas palavras (acho que já tenho pelo menos 200 palavras/expressões adicionadas).

    Audiolivros para reforçar a compreensão auditiva

    Sei que este texto está parecendo propaganda do Busuu (ei, @Busuu, podiam me dar uma conta premium gratuita lifetime como cortesia, não?), mas se você está começando agora e está muito fraco no espanhol, por um bom tempo as atividades com diálogo do Busuu podem lhe ser suficientes, mas em algum momento você pode querer mais do que somente dois ou três minutos de conversação. E agora?

    A resposta para você pode ser audiolivros! Encontrei alguns websites com audiolivros interessantes, baixei e os estou ouvindo. Alguns deles são gravados de forma mais pausada, ótimos para quem está começando, já outros são gravados de forma mais rápida, sem pausa entre as palavras, o que se torna um desafio maior para quem está aprendendo o idioma. Ambas as formas são úteis para o nosso aprendizado e, portanto, você não deveria desprezar nenhum audiolivro.

    Como disse, se você está começando, talvez seja melhor focar nas lições do curso até alcançar um nível razoável. Apesar de sentir-me apto desde o início, decidi utilizar os audiolivros somente após concluir o segundo nível (Básico A2).

    E como estou indo nos audiolivros? Teve um que na verdade era uma poesia (Ahora que estoy vivo) bem interessante, um outro mais longo (Cuatro naufragos) que acho que entendi o final, mas fiquei meio “Poutz!” – não vou contar o final – e estava ouvindo um bem mais longo (El enviado), mas a leitura dele é muito rápida e está mais para um documentário ditado, o que se torna muito monótono – acho que vou procurar outra leitura.

    E aqui vão algumas indicações de websites onde pode baixar audiolivros em espanhol:
    Leer Escuchando
    Audio libro gratis

    Comece aulas de conversação tão cedo quanto for possível!

    No meu caso, adiei por tempo demais a procura por um professor de línguas para treinar conversação. Já se passaram 20 dias e ainda não comecei e apesar alguns pensarem “para que tanta pressa?”, lembre-se que a minha meta é aprender em 30 dias, então tenho somente dez dias pela frente!

    Então recomendo que não cometa o mesmo erro que eu: mesmo que não se sinta à vontade para ter a primeira aula já na primeira semana, pelo menos já busque e agende para começar a ter suas aulas a partir do final da segunda semana.

    Como o meu foco é aprender em 30 dias, tentarei marcar duas ou três sessões de uma hora cada de aula particular – você pode conseguir preços melhores com aulas em grupo, mas eu sinto que uma hora de aula particular vale muito mais du que duas horas de aula em grupo.

    Bem, por hoje é só. Vou agora voltar ao meu treino e começar a traduzir textos para espanhol (prometi isso no outro artigo e ainda não comecei!). Até!

    Share and Enjoy

    • Facebook
    • Twitter
    • Delicious
    • LinkedIn
    • StumbleUpon
    • Add to favorites
    • Email
    • RSS

Aprendendo Espanhol em 30 dias – 10 dias já se passaram


Aos que não lembram ou não viram meu artigo anterior, eu decidi aprender espanhol em 30 dias, porém não aprender um “portunhol” meio arrumado, mas ser capaz de ler, escrever e conversar em espanhol. Já se passaram 10 dias desde o início deste desafio, então está mais do que na hora de atualizá-los quanto a como estou indo, obstáculos encontrados e soluções adotadas.

Aprender espanhol em 30 dias. Desafio aceito!

Vale lembrar que antes de iniciar o desafio eu desenvolvi uma ideia bastante clara de minha meta, isto é, ser capaz de escrever bem como conversar em espanhol fluentemente. É importante saber exatamente o que deseja para determinar qual será o melhor método bem como ferramentas adequadas para a tarefa. E para não perdermos o costume, aqui vai a versão curta que responda a isso:

1. É uma boa ideia começar com o básico da gramática: algo como os pronomes, conjugação dos verbos mais básicos (ser, estar, ir, ter, falar) etc.
2. Use um programa como o Anki (gratuito) para criar flashcards com as palavras e expressões mais difíceis de recordar, assim pode repeti-las frequentemente e assim memorizá-las;
3. Ler não é realmente um desafio, já que muitas palavras são bem parecidas com a língua portuguesa, já quanto a ouvir (compreender auditivamente) o desafio é maior, já que a pronúncia de muitas delas é bastante diferente da língua portuguesa;
4. Estudar de forma rápida e intensa não é tão simples assim: os aplicativos que testei (Duolingo e Busuu) focam mais em gramática e frases curtas, o que torna o processo de aprendizado bastante lento – e se você quer aprender uma língua em 30 dias, meu caro, velocidade é o que você precisa;
5. Principal obstáculo: meu vício por jogos voltou a dominar meu tempo livre nos últimos dias, o que prejudicou muito meu progresso.

Bem, agora que já apresentei um resumo da experiência dos primeiros 10 dias, vou detalhar com calma – e quem estiver também nesse desafio poderá aprender um pouco e compartilhar sua experiência também, claro.

Conhecimentos básicos em gramática são fundamentais

Mesmo que você queira somente ser capaz de ler livros e artigos em espanhol (para uma prova de vestibular ou proficiência em um programa de pós-graduação, por exemplo), compreender alguns pontos básicos da gramática o ajudarão a facilitar e muito a leitura. Alguns pontos a se estudar:

  • Pronomes pessoais (yo, tú, él/ella/usted, nosotros/nosotras, vosotros/vosotras, ellos/ellas/ustedes);
  • Artigos (el, la, los, las, un, una, unos, unas);
  • Numerais cardinais e ordinais;
  • Conjugação dos principais verbos irregulares (ser, estar, ter, ir etc.);
  • conjugação dos verbos regulares (pelo menos no presente).

Veja bem, você não precisa decorar toda a gramática, mas se tiver uma boa base no que acabei de expor acima seus momentos de estudo serão muito mais produtivos, já que quase todo o restante será treinamento de vocabulário.

Flashcards para memorização são essenciais

Como afirmei lá no início desse texto, muitas palavras são bem parecidas com palavras em português. Várias mudam somente um sufixo ou um encontro consonantal. Mas… e o que fazer para aquelas palavras que mudam completamente (como “segunda-feira” que se escreve “lunes”)?

Bem, para esses casos, você precisa de um método para memorização, e uma boa opção é o uso de flashcards. São cartões em que na frente você escreve uma expressão ou pergunta e no verso a resposta para o mesmo. No meu caso, na frente o termo em português e tento adivinhar o que está atrás, que é o termo em espanhol.

Você pode ter flashcards em papel, o que é muito bom caso deseje compartilhá-los com outras pessoas ou usá-los sem um PC ou smartphone, mas se você deseja usar uma versão para PC (eu estou usando!), uma opção gratuita para PC é o Anki.

No início eu estava um pouco cético quanto ao uso dele – já que os demais aplicativos que estou usando parecem bastante “lentos”. Mas logo recordei (já os usei antes) qual o principal ponto positivo de flashcards: você criará cartões somente com os seus pontos fracos (expressões difíceis de memorizar, por exemplo), ignorando aquilo que você já sabe, então estará realmente reforçando aquilo que possui dificuldade em vez de “perder tempo” repetindo o que já sabe.

Desafios em ler e ouvir em espanhol

Conforme já mencionei, muito da escrita em espanhol se parece com a escrita em português. O que é muito bom para acelerar o processo mas ao mesmo tempo um pouco frustrante, pois no meu caso significava passar por lições inteiras no Duolingo e no Busuu sem aprender uma nova palavra. Idem quando lendo livros (estou lendo um livro chamado “Desarrollo de Software Dirigido por Modelos”).

Você deve pensar que sou maluco, mas lembre-se que o objetivo é alcançar o meu máximo em 30 dias e só repetir o que já sei não me faz “sair do lugar”. Aliás, foi por isso que comecei a ler um livro em espanhol, já que somente os aplicativos não pareciam suficientes.

Já quanto a ouvir em espanhol, o desafio é maior, pois mesmo palavras escritas de forma parecida podem ter pronúncias bem diferentes quando comparadas com a língua portuguesa. E aqui a falha é minha: diante da simplicidade do conteúdo em áudio presente nas ferramentas, eu já deveria ter procurado alguns canais em espanhol no YouTube para treinar melhor a compreensão, porém ainda não o fiz. Erro meu que pretendo corrigir a partir de agora.

E nem vou falar como estou quanto à capacidade de conversar, já que por preguiça/procrastinação minha ainda não procurei um professor para treinar via Skype!

Aplicativos em uso

E se o negócio é aprender rapidamente, tecnologia acaba sendo envolvida, não é mesmo? Assim sendo, aqui vão as ferramentas que estou usando até o momento:

  • Duolingo – um bom aplicativo gratuito com muitas lições. A sua dinâmica é bem fácil e agradável, mas o maior problema do mesmo é a limitação quanto a vocabulário presente no mesmo. Além disso, não apresenta textos e vídeos para complementar o aprendizado;
  • Busuu – um bom aplicativo com versão gratuita (muito limitada) e paga (bem mais ampla). Melhorou bastante sua interface de navegação, mas o ponto positivo mesmo é poder enviar textos e áudios para nativos no idioma estudado corrigirem. E você pode fazer isso mesmo sem pagar!
  • Anki – eu já falei aqui o quanto subestimei essa ferramenta mais foi só começar a usar e recordar como flashcards podem ser poderosos?
  • YouTube – há alguns canais no YouTube bem legais, tanto com lições básicas de espanhol quanto com material genuinamente produzido em espanhol. Em minha opinião, para quem quer desenvolver a capacidade de ouvir, YouTube e LiveMocha são ferramentas essenciais.

Cuidado com devoradores de tempo

E aqui está o maior problema que enfrentei. Como disse, após alguns dias estudando senti-me um pouco frustrado, pois a parte de leitura e escrita estava parecendo fácil demais, mas aí quando começou a melhorar (com a leitura de um livro e anotação de termos mais difíceis em flashcards) reapareceu em minha vida um dos meus maiores vilões: joguinhos! XD

Nesse caso, por acaso esbarrei em um jogo para Android chamado Mobile Strike e comecei a jogá-lo. Achei-o tão interessante que paguei pelo pacote mais básico como forma de apoiá-lo ($4.99) e aí tornou-se um problemão, pois com tudo o que ganhei no jogo acabei desperdiçando muito tempo nele e estudando quase nada de espanhol nos últimos três ou quatro dias – o que, para uma meta de aprender em 30 dias, significa muita coisa!

Bem, “devorador de tempo” encontrado, agora só me resta afastá-lo e voltar às minhas atividades. Assim sendo, meus próximos passos provavelmente serão:

  • Treinar a escrita, traduzindo os artigos do Clube do Dinheiro para espanhol;
  • Recuperar as lições esquecidas nas plataformas Duolingo e Busuu;
  • Procurar um professor/tutor de espanhol para desenvolver a capacidade de comunicação.
  • Ao menos dobrar a quantidade de flashcards já elaborados (até agora tenho um total de 73 cartões).

E você, também está no #Desafio30Dias para aprender espanhol? Se sim, comente aqui qual está sendo sua estratégia de aprendizagem!

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Aprender espanhol em 30 dias! Topa?

Buenas noches! Alguns dias atrás (creio que na sexta-feira ou no sábado), estava revisando os favoritos salvos no Google Chrome (sim, aqueles mesmos, em que a gente salva milhares de artigos para “ler mais tarde” e nunca lê…) e lembrei-me que certa vez pensei em aprender espanhol. No caso, meus favoritos referiam-se a materiais para aprender mais (ou melhor) em menos tempo.

Aprender espanhol em 30 dias. Desafio aceito!

Lendo aqui e acolá, eis que encontro um artigo de Paulo Ribeiro publicado no blog Papo de Homem justamente sobre Como aprendi espanhol em 30 dias. Nem preciso dizer que aquele artigo atiçou minha curiosidade e vontade. Eu até estava pensando em fazer o mesmo porém com um prazo um pouco maior (90 dias), mas há uma grande desvantagem em “prazos longos”: você perde a motivação no meio do percurso (li sobre isso em um artigo justificando a importância de focarmos em projetos curtos).

Por exemplo, quando iniciei um projeto para desenvolvimento de um aplicativo para aprendizagem de línguas, decidi voltar aos meus estudos de língua inglesa com o foco em melhorar a parte de conversação, mas acabei me dando um prazo tão longo que os resultados tornaram-se bastante lentos e, com isso, acabei por me desanimar. Assim, a proposta de “enxugar” o deadline de 90 para apenas 30 dias soou-me como uma loucura bastante desafiadora! 🙂

“E por que espanhol e não inglês?”, você pode estar se perguntando. Simples, como em língua inglesa já estou bem avançado quanto à parte de leitura (e mediano na parte de escrita) e meus problemas seriam somente com a parte de conversação, achei que era melhor procurar uma língua em que eu começasse praticamente “do zero”: sou capaz de ler normalmente muitos textos em espanhol, mas não tenho um vocabulário tão aprofundado e praticamente zero em todo o restante. Além disso, escolher uma nova língua praticamente “do zero” permite-me criar um “diário” de tudo o que usei durante a aprendizagem e que será mais tarde publicado aqui.

E estou anunciando aqui para assumir tal compromisso publicamente! Assim sendo, tenho todo o mês de maio para aprender o básico de espanhol, pelo menos o suficiente para manter um diálogo de 10 minutos com uma pessoa que fale a língua espanhola nativamente! Tentarei agendar um conversa com alguém para realizar tal “avaliação final” para o dia 02 de junho (sexta-feira).

E aqui vai um pouco do que tenho feito até agora:

  • Li e tomei nota de dicas e estratégias para aprender uma nova língua rapidamente a partir de alguns artigos e apresentações disponíveis na Internet;
  • Revisei aplicativos em meu iPad para aprendizagem de línguas (parece que, dos que eu já tinha instalado, somente o Busuu permite a aprendizagem de espanhol);
  • Elaborei um miniplano de ação, bem simples, que deve ser colocado em prática a partir de hoje;
  • Já comecei a utilizar o Busuu para aprender espanhol (mas acho ele um bocado chatinho às vezes, há algum outro mais no estilo do “LinguaLeo” só que para espanhol?).

O que farei agora:

  • Identificar qual o melhor app ou website para aprender espanhol;
  • Determinar se vale a pena pagar pelo mesmo ou não (no caso do Busuu, eu posso pagar uma assinatura de um ano e usá-la para treinar outros idiomas após este experimento);
  • Revisar e começar a executar meu miniplano.

Sim, sei que a meta é demasiadamente ambiciosa. Como disse, não espero virar um poliglota ou estar apto a viajar para um país que fale a língua espanhola apenas com 30 dias de treinamento, mas considero um excelente desafio para forçar-me a dar o primeiro pontapé.

E aí, mas alguém comigo nesse desafio? Você também não deseja aprender espanhol? Que tal um #Desafio30Dias ?

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS