Archive for Mercado de Ações

Como investir em ações

Primeiro, vamos entender o significado de ação. De acordo com um dicionário de economia, ação é:

Ela é a menor parte do capital de uma empresa, normalmente comercializada nas bolsas de valores de todo o mundo. Quando alguém compra uma ação, na verdade está adquirindo um lote de negociação, que pode ser comprado ou vendido pelo titular. Ao longo do tempo, se a empresa tiver perdas ou progredir, o processo se reflete nas ações, que podem, respectivamente, se desvalorizar ou não, dependendo do cenário. Algumas empresas fazem também a divisão dos lucros entre seus acionistas. Existem dois tipos de ações que são negociadas no nosso país – as ordinárias e preferenciais.

Nesse resumo está contido o princípio mais importante a respeito de uma ação: Uma ação é uma fatia do capital da empresa, que pode ser comercializada por investidores, se seu capital for aberto; Ou seja, que pode ter ações comercializadas na bolsa. Então, quando você adquire uma ação e a mesma é valorizada, seu capital investido cresce, mas se ela se desvalorizar, seu capital sofre as consequências e se desvaloriza junto.

Por causa dessa variação no rendimento das ações, esse tipo de aplicação é chamada de renda variável.

Como lucrar com ações?

Isso pode acontecer de duas maneiras: Pode ser com a divisão dos lucros da empresa ou com a valorização do título. As corporações que trabalham com capital aberto, têm a opção de distribuir o lucro com seus acionistas, que é muito conhecida como participação nos lucros.

Enquanto a valorização dos papéis acontece quando os títulos da empresa são mais procurados e, por isso, seu preço sobe. Para quem quer ganhar um dinheiro rápido, esperar a divisão dos lucros não é uma boa alternativa, porém o investidor pode apostar nas ações que estão se valorizando mais rapidamente. Apesar que muita gente que está sem pressa pode escolher os dois tipos de investimentos.

Mas, como comprar ações?

É só você procurar um banco ou instituição financeira que faz a comercialização das ações. E muitas dessas instituições fazem a oferta desses serviços através da Internet, facilitando a vida do investidor. As taxas cobradas varia de banco para banco, que pode cobrar a taxa por operação ou mesmo a taxa de administração.

E alguns deles dizem que cobram o menor imposto. Mas, na verdade: O valor da taxa cobrada pelo banco é baixo, isso levando em conta um mercado que é tão variável como o de ações. E muitos bancos estão ofertando a seus investidores artigos e cursos, a fim de que ele fique a par de tudo o que se passa no mercado de compra e venda de ações.

Então, liste quais são as instituições financeiras que oferecem esse serviço e veja qual é que compensa mais; Pesquise quais são as taxas cobradas pela instituição e quais são os serviços extras oferecidos por ela, como o pregão online, por exemplo. E, se você tiver a oportunidade, entre em contato com outras pessoas que usam este mesmo serviço.

Somente depois de fazer toda essa pesquisa que você deve fazer a escolha do banco que irá lhe assessorar na hora de comprar/vender suas ações. É assim que funciona.

Como lucrar com a compra e venda de ações?

Esta é a questão!

No blog Investindo em Ações tem uma frase interessante sobre o assunto: “Investir em ações é [… ] fácil [… ]. Difícil é ganhar dinheiro”.
O que essa afirmação quer dizer é que negociar ações é fácil, difícil é saber o momento certo de fazer isso.

Então, siga as nossas dicas:

  • Cuidado com os palpiteiros, falsos especialistas, que acham que sabem tudo – se assim fosse, muita gente não teria tido tanto prejuízo na crise de 2008;
  • Faça um estudo de mercado, para saber quais ações comprar. Quanto mais você pesquisar e entender o mercado, maiores serão as suas chances de sucesso;
  • Tenha paciência para investir, pois esse tipo de investimento tende a sofrer diversas alterações. Porém, esse momento de instabilidade pode ser útil para que várias empresas se recuperem e reergam-se no mercado. E tenha muito cuidado em qual empresa investir, não fique em um único tipo de empresa, siga o panorama da economia;
  • Leia revistas e blogs especializados no assunto. A nossa sugestão, no âmbito da internet, é o blog InvestManíacos.

Assuma riscos

Bom, o mercado de ações tem um risco muito alto de prejuízo, isso todo mundo sabe. Mas isso não quer dizer que você não possa lucrar com elas.

Então, avalie bem qual é o tipo de risco que você está disposto a correr. Pessoas de perfil conservador, devem investir em empresas mais tradicionais, de pouco risco, enquanto os de perfil agressivo podem apostar em empresas mais novas, de risco mais alto.

Robert Kiyosaki, que escreveu “Pai Rico, Pai Pobre – o que os ricos ensinam a seus filhos sobre o dinheiro”, afirma que: Não é inteligente correr de investimentos rentáveis, o necessário é conhecer bem o mercado e suas nuances, assim, o risco é bem diminuído.

Conhecendo o mercado de ações


Olá pessoal! Que tal hoje aprendermos um pouco sobre o mercado de ações? Principalmente para você que está com vontade de investir em ações mas não faz ideia de como começar. Bem, é sobre como funciona o mercado de ações que o nosso artigo de hoje irá explicar.

Primeiramente iremos saber o conceito de ações, que são títulos de renda variável, emitidos por sociedades anônimas, que representam a menor fração do capital da empresa emitente. É a divisão em partes igualitárias do capital financeiro social, sendo que esse mesmo capital é o investimento dos proprietários do empreendimento. Simplificando, o capital financeiro é a própria empresa, e as ações são a representação da menor fração do capital social de uma associação ou companhia.

Quando um investidor compra uma ação ele adquire um título negociável, ou seja, ele poderá ser vendido ou comprado. Os valores das ações estão ligados com a valorização e a desvalorização que tem a empresa, isto é, é um investimento de alto risco, pois trata-se de renda variável, e suas mudanças são muito instáveis. Ou seja o famoso sistema de altos e baixos.

Existem no mercado de ações dois tipos diferentes de aplicações com as ações negociáveis, as preferenciais e as ordinárias. As ações preferenciais são as que dão garantia ao acionista ou detentor prioridade no recebimento de dividendos, no caso de decomposição da companhia, geralmente com percentual mais alto que os das ações ordinárias.

Já as ações ordinárias são as que permitem a participação do acionista nos lucros da empresa e ainda oferecem o direito de voto em assembléias gerais da companhia, mas não tem o direito ao dividendos. Para adquirir ações no mercado de maneira fácil é preciso entrar em contato com algumas intituições financeiras que oferecem o serviço de venda e compra de ações, que geralmente cobram uma taxa de administração ou de operação, que tem um valor consideravelmente baixo, isso por causa da sua instabilidade.

Por meio até mesmo da Internet é possível começar as negociações de ações, atráves dos sites das intituições que oferecem o serviço. A rentabilidade das ações é variável, parte dela é composta de dividendos, direitos de subscrição, venda de direitos de subscrição, bonificação em ações, resultados e benefícios oferecidos pela companhia.

  • Dividendos – é a parte dos lucros da empresa distribuída em forma de capital para os investidores.
  • Direitos de Subscrição – é o direito da compra de um novo pacote de ações pelos acionistas com preferência na subscrição, com objetivo de aumentar o capital da companhia.
  • Venda de Direitos de Subscrição – é a venda das ações a terceiros com os direitos que possui, e sem obrigatoriamente o exercício da preferência na subscrição de novas ações.
  • Bonificação em ações – são as novas ações emitidas pela empresa, que são distribuídas gratuitamente aos seus acionistas.

Se agora você tem maior interesse em aplicar determinado capital no mercado de ações, então procure informar-se sobre as institições que oferecem esse serviço de compra e venda de ações, e selecione as quais posuem melhores recursos de assistência aos acionistas, as taxa que são cobradas. Depois escolha a que melhor suprir as suas necessidades ou que mais lhe interessar. 🙂

Para conseguir rentabilidade com ações existem dois meios, a participação de lucros e a valorização da ação. A rentabilidade através da valorização da ação, é dada devido a valorização da empresa ou companhia na bolsa de valores, resultando em mais dividendos e lucros mais altos. Com a participação de lucros, as companhias que possuem capital aberto repartem os lucros com os investidores, que é gerada via divisão de dividendos.

Para conseguir investir em ações não é complicado, porém o que os especialistas dizem é que o mais díficil é a obtenção do capital de rendimento, ou seja, acerta no negócio certo que traga bons frutos.

Importância da diversificação no mercado de ações

“Não ponha todos os ovos no mesmo cesto!” Você provavelmente já ouviu falar isso em algum momento de sua vida… e quando se trata de investir, é muito verdadeiro. A diversificação é a chave para investir com sucesso. Todos os investidores bem-sucedidos constroem portifólios que são bem variados, e você também deveria!
Diversificar os seus investimentos pode incluir compra de várias ações em diferentes indústrias. Pode incluir obrigações de compra, investir nas contas em Forex Trading, ou mesmo em alguns imóveis. A chave é investir em diversas áreas – não apenas uma.

Ao longo do tempo, a pesquisa mostrou que os investidores que têm portifólios diversificados costumam ver retornos mais consistentes e estáveis em seus investimentos do que aqueles que apenas investem em uma coisa. Ao investir em vários mercados diferentes, você vai realmente ter menos riscos também.

Por exemplo, se você investiu todo seu dinheiro em um tipo de ação e a mesma tem uma queda significativa, você provavelmente vai achar que perdeu todo seu dinheiro. Por outro lado, se você tem investido em dez tipos de ações diferentes, e nove estão indo bem enquanto um caiu, você ainda está razoavelmente em boa forma.

Uma boa diversificação inclui, normalmente, ações, títulos, imóveis e dinheiro. Pode levar algum tempo para diversificar seu portifólio. Dependendo de quanto você tem que investir inicialmente, você pode ter que começar com um tipo de investimento e investir em outras áreas com o passar do tempo. Isso é bom, mas se você pode dividir os seus fundos de investimento inicial entre vários tipos de investimentos, você vai descobrir que tem um menor risco de perder seu dinheiro, e ao longo do tempo, você vai ver o melhor retorno.

Especialistas também sugerem que você espalhe seus investimentos de forma uniforme entre os seus investimentos. Em outras palavras, se você começar com R$ 100.000 para investir, invista R$ 25.000 em ações, R$ 25.000 em bens imóveis, R$ 25.000 em títulos e coloque R$ 25.000 em uma conta-poupança, por exemplo.

Como investir em ações

Para você, amigo leitor, que pensa em investir em ações, mas não entende do assunto, nós preparamos esse artigo para o orientar sobre esse tipo de investimento.

As ações são as partes de uma empresa, assim como os pedaços de um bolo. Então, quando uma pessoa compra uma ação na bolsa, ela passa a ser sócia da empresa em questão, proporcionalmente ao “pedaço” adquirido. Cada uma dessas ações acompanha a valorização ou desvalorização da empresa. Por isso, elas podem subir ou descer de acordo com o desempenho dela.

Existem diversos tipos de ações, que conferem direitos e deveres a cada um de seus sócios. No caso das ações preferenciais (conhecidas como PN), o investidor recebe preferencialmente os lucros da empresa, só que ele não possui direito a voto nas reuniões. Enquanto as ações ordinárias (chamadas de ON) já conferem o direito a voto a cada um dos sócios da empresa, só que eles não têm preferência na hora de receber seu pró-labore. Além dessas, existem as “units”, que são os dividendos relativos às cestas de ações da empresa.

Para adquirir essas ações, não existe um valor x determinado. Mas algumas delas podem custar mais caro que outras, dependendo da empresa que está vendendo e de sua situação no mercado financeiro. A compra e venda de ações é um investimento de risco, já que se trata de um fundo de renda variável. Os valores das ações variam de acordo com a sua situação no mercado de investimentos, além da situação da economia, do governo e do mercado internacional de capitais.

Quem pretende investir nesse tipo de aplicação deve preferencialmente procurar ações de empresas sólidas no mercado (como a Petrobrás, por exemplo) e pedir uma consultoria de um profissional no assunto. Lembrando que esse é um investimento de longo prazo (superiores a um ano). Os interessados em investir pequenos valores podem consultar o site www.bovespa.com.br, que oferece informações e um guia eletrônico buscando atrair o pequeno investidor. Lembrando que cerca de 25% desse mercado é formado por pequenos investidores (pessoa física).

Para fazer a compra de ações, você deve se dirigir a uma corretora de valores. É ela que vai intermediar a aquisição e conta também com profissionais especializados no mercado de ações, por isso, ajudam o investidor a decidir qual é o melhor momento para comprar ou vender ações. As corretoras cobram uma taxa para oferecer esse serviço de consultoria. Para se tornar cliente, o pequeno investidor precisa abrir uma conta na corretora.

Existem também os fundos de ações, que são ofertados diretamente pelos bancos, sem precisar da corretora. A diferença aqui é que a decisão de comprar e vender os papéis é feita pelos gestores do fundo de investimento.

O que faz uma ação subir ou descer é o mercado de oferta e procura, que é o motor do sistema capitalista. Quando há uma procura maior, o preço sobe, mas se a oferta for superior a procura, o preço cai. Essa variação acontece de acordo com o desempenho da empresa e com a situação da economia/política em geral. A maior preocupação das pessoas é a de perder todo o seu dinheiro, mas isso só acontece no caso de falência da empresa. Ainda que haja uma crise financeira, uma perda total é uma situação praticamente impossível, já que nenhuma empresa vale R$0.

Para os iniciantes, o ideal é começar em um fundo de investimento, para que o pequeno investidor se habitue ao sobe-e-desce das ações no mercado. Não se esqueça de procurar uma corretora/banco que ofereça ao cliente a oportunidade de falar diretamente com os seus analistas. Informar-se sobre balanços e oscilações do mercado é extremamente importante para tomar boas decisões sobre a compra/venda de ações.

Os iniciantes também podem investir no PIBB, que é um fundo de investimento composto pelas 50 ações das empresas mais atuantes no mercado financeiro. As ações desse fundo ficam em poder do BNDES. A melhor parte é que o pequeno investidor vai receber todos os dividendos das ações e ele pode repassá-las ao BNDES no prazo máximo de até um ano, pelo mesmo valor da compra. Esse tipo de proteção atende aos investimentos de até R$ 25 mil.

 Por Danielle Batista

Em tempos de crise da Petrobrás, como investir em ações?

Se você não viveu embaixo de uma pedra ou com a cabeça em um buraco nos últimos meses, deve ter acompanhado os inúmeros escândalos envolvendo o nome da Petrobrás e vários políticos do partido trabalhista (PT). Neste artigo, não temos o interesse de analisar quem é o responsável por tudo o que está acontecendo na Petrobrás, mas em vez disso, desejamos entender o atual cenário econômico desta empresa e de tantas outras.

No mundo todo ainda há resquícios da crise de 2008 que assolou os Estados Unidos e vários países europeus. Na verdade, ainda hoje, sete anos depois, a Grécia ainda não se recuperou completamente. E isso tudo deixa quem deseja investir no mercado de ações com um (ou até mesmo os dois) pé atrás. Entretanto, também não pode se falar da queda do valor das ações da Petrobrás como algo repentino, tendo em vista que suas ações vem apresentando queda desde novembro de 2010. Sim, meus amigos, já são quase cinco anos de déficits consecutivos no valor das ações daquela empresa!

Entretanto, apesar de tantas incertezas e pedras no caminho, você não deve considerar como sendo impossível a opção de investir no mercado acionário. Tudo o que você precisa é seguir alguns passos simples porém bem organizados e disciplinados que podem ajudá-lo na tomada de decisões enquanto investidor. Bem, aí vão essas dicas:

1. Defina sua estratégia

O primeiro passo de todo e qualquer projeto – seja ele a construção de um grande prédio ou a prospecção de novos clientes – é definir qual a estratégia que será empregada. A sua estratégia deve ajudá-lo na execução de cada um dos passos seguintes ao planejamento, viabilizando alcançar o objetivo pretendido. Há várias estratégias para investimentos em ações, sendo algumas delas:

a) Buy-and-Sell: Nesta estratégia, você adquire ações de empresas em período de desvalorização com o intuito de vendê-las quando as mesmas se tornarem novamente valorizadas.

b) Day Trading: Nesta modalidade, o investidor realizará operações diárias com o intuito de comprar e vender ações geralmente no mesmo dia, visando o curto prazo (menos de um ano!).

c) Buy-and-Hold: Um pouco similar à primeira, com a diferença de que o objetivo aqui é ganhar dinheiro não somente pela venda das ações compradas anteriormente, mas também por meio dos dividendos gerados pelas mesmas, assim o investidor dá prioridade a mantê-las e lucrar com os mesmos em vez de vendê-las.

Além de definir uma estratégia quanto ao ritmo de compra e venda e à forma como espera lucrar com tais ações, você também precisará definir uma estratégia de avaliação das opções de ações a fim de escolher as melhores para você. Tal estratégia, claro, deve levar em consideração por qual das estratégias anteriores você optou a fim de oferecer-lhe melhor suporte. Duas bastante conhecidas são a estratégia de análise gráfica e a fundamentalista – há muitos artigos e tutoriais explicando estas e tantas outras, estude-as e escolha as que mais se adaptam ao seu perfil.

2. Comece no ritmo certo

Para cada investidor, haverá um valor mínimo e máximo com o qual se deve começar a investir em ações sem expor-se a riscos demais. De minha própria experiência, há um valor mínimo e não deveríamos começar com tão pouco quanto R$ 100,00, como alguns especialistas citam por aí, uma vez que há taxas envolvidas tanto nas operações de compra e venda quanto na custódia das ações. A depender das estratégias que tenha escolhido, tal valor pode diferenciar – para mim, esse “número mágico” ficava em torno de R$ 8.000,00.

De forma análoga, há um valor máximo que você deve investir em ações, este agora correspondendo não a um valor absoluto, mas um valor relativo, um percentual de todo o montante que você tem investido até então. Neste caso, dependerá muito mais de seu perfil de investidor e do tempo que você pretende manter tais ações sob sua custódia. Se você não tem muita certeza de qual é esse número para você, então não ultrapasse o valor inicial máximo de 20% e, a cada semestre, revise os resultados de sua carteira de renda variável (ações) comparados à renda fixa para determinarse deve invertir mais ou menos nelas, ok?

Então, no meu caso, devido às taxas de corretagem e custódia e respeitando meu perfil de investidor e objetivos, começaria com um valor mínimo de R$ 8.000,00 e um valor máximo de 20% em relação à carteira de investimentos total.

3. Siga o plano e controle suas emoções

Investir em ações é cheio de altos e baixos – não são somente as ações da Petrobrás que estão a sofrer grandes oscilações de mercado neste momento. Dei uma rápida olhada nas ações de algumas empresas e, pensando em uma estratégia de comprar e vender ações (buy-and-sell) em um período de médio a longo prazo (mínimo de 18 meses), percebi que empresas na área de tecnologia como Google, Microsoft e Apple estão indo muito bem, enquanto empresas em outros ramos, nem tanto.

A escolha das empresas, quando comprar e quando vender, como reagir diante de uma possível desvalorização ou valorização repentina dos preços etc. tudo isso deve ser levado em consideração durante o planejamento – seguido mais tarde. É muito fácil, em meio a uma desvalorização súbita, desesperar-se e vender suas ações, realizando assim um prejuízo que, se o investidor tivesse se planejado quanto ao que fazer em tal situação, poderia até mesmo reverter-se em lucro.

4. Seja paciente

Apesar das muitas histórias sobre pessoas que ficaram ricas da noite para o dia por meio do mercado acionário, saiba que elas “casos à parte”, excepcionalidades, não a regra. Então, é bem provável que, se você for disciplinado e bom nas escolhas de suas ações, você consiga, a médio e longo prazo, ter um retorno duas ou três vezes superior ao de outras formas de aplicação, mas não conte com o “ficar rico” como meta para os próximos três anos, ok?

5. Aprenda com seus erros

Você vai errar – e muito. Às vezes, isso fará você perder algum dinheiro. É importante que você entenda, em cada uma dessas situações, quais foram os erros que você cometeu e, assim, evite-os nas próximas operações de compra e venda que executar. E não, é praticamente impossível não errar uma vez sequer enquanto investindo, mas você pode melhorar o processo aprendendo com os seus erros e os de outros investidores (você pode ler alguns artigos comentando sobre meus erros aqui, por exemplo).

Algumas das coisas que aprendi foram:
a) Faça todos os cálculos necessários para determinar o valor mínimo para começar a investir em ações e o valor mínimo para cada operação a fim de diluir ao máximo os custos de corretagem e custódia – e uma vez determinados tais valores, respeite-os!
b) Se você não é um day trader, não vale tanto a pena olhar suas ações diariamente, isso só o deixará mais ansioso;
c) Não vale a pena investir em ações de uma empresa baseando-se somente nos gráficos (análise gráfica). Ela é necessária, mas seu real valor aparece quando você alia com a análise da situação que aquela empresa está vivenciando no momento e o potencial de crescimento da mesma (análise fundamentalista).

Bem, estas foram algumas dicas simples que, acredito eu, ajudarão tanto quem deseja investir em ações de uma grande empresa petrolífera qualquer bem como de qualquer outra empresa. E lembre-se: se você quer ganhar dinheiro investindo, precisará planejar e simular situações por meio de uma planilha para estudar como reagir a cada possível caso.

Há uma hora certa para começar a investir em ações?

Quem está começando a investir e ainda não conhece muito bem as opções, deveria começar pela caderneta de poupança – uma opção segura que lhe garante o menor risco possível. Entretanto, quando se fala em dinheiro, quanto menor o risco, menor o prêmio, isto é, o retorno financeiro. Já no caso das ações, a valorização das mesmas se deve ao bom crescimento das empresas acrescido da expectativa de crescimento ainda maior que há por parte dos investidores, podendo levar as tais ações a crescimentos extraordinários em pouco tempo. Mas é importante salientar que, da mesma forma que podem crescer muito, as ações podem também ter grandes quedas em seus preços, por razões análogas.

E é aqui onde nos encontramos, nós, meros pequenos investidores, perguntando-nos se esta é uma boa hora para investir menos na caderneta de poupança e começar a investir em ações – ou não. Como saber se esta é realmente uma boa ideia? Na falta de maior experiência, é bom refletirmos bastante sobre o assunto.

Quando abrimos uma conta-poupança, geralmente não há taxas para a abertura ou para a manutenção dela. Outra coisa a se observar é quanto à dedução de imposto de renda: você não precisará pagar impostos sobre seus rendimentos. Quando começamos a falar sobre o mercado de ações, já nos deparamos com taxas de custódia (cobradas mensalmente) e taxas nas operações de compra e venda de ações – e não podemos esquecer do imposto cobrado sobre a renda. Sim, você não vai ficar com todo o rendimento bruto obtido por meio de suas ações, uma vez que você pagar todas essas taxas. Você pode, até mesmo, amargar prejuízos, já que alguns desses valores são absolutos (taxas sobre as operações e taxa de custódia).

Não há um valor exato a partir do qual seja interessante investir tal que possamos diluir ao máximo as taxas de custódia e sobre operação, mas acredito que um valor entre R$ 8.000,00 e R$ 12.000,00 seja suficiente. Você pode investir valores menores e obter lucros, da mesma forma que você pode investir valores maiores e ainda assim amargar prejuízos, dependerá muito de seus conhecimentos em tais investimentos, lembrando que o momento da compra de uma ação é especialmente importante, pois é ele que vai determinar se você ganhará ou perderá dinheiro mais tarde. Busque adquirir ações que estejam visivelmente subvalorizadas e que você esteja bastante certo de que nos próximos seis meses retornarão ao seu valor real.

E não pense que escolher a hora certa de comprar (bem como a hora certa de vender) é algo tão simples assim: se fosse, por que tantas pessoas ainda perdem dinheiro na bolsa de valores? Sendo assim, aconselhamos a começar utilizando-se de simuladores de bolsas de valores – principalmente aqueles que se utilizam de dados reais da bolsa – a fim de aprender bem antes de começar a investir. E uma outra dica: quando começar a investir em ações, mantenha algum dinheiro ainda em caderneta de poupança, a fim de servir de reserva para os casos de emergência. Para para pensar: quais os riscos que você corre se investir todo o seu dinheiro em ações? Imaginemos que uma semana ou mais depois de investir tudo em ações você sofra um acidente de carro e precise de R$ 2.500,00 para cobrir os prejuízos – se vender suas ações agora, pressionado pela necessidade, provavelmente você estará perdendo dinheiro na operação. E então, de onde podemos obter tal dinheiro se não tivermos uma reserva?

Vender suas ações pressionado por alguma necessidade súbita geralmente o levará a perder dinheiro em seus investimentos. Desta forma, será muito mais interessante utilizar-se de alguma reserva em vez de resgatar das ações. Mas isso só poderá acontecer caso você tenha algum dinheiro em uma caderneta de poupança, CDB ou aplicado em outro lugar onde você possa resgatar facilmente e sem prejuízos. Sendo assim, manter um valor de três a seis meses de suas despesas mensais ou outro valor que você compreenda como sendo o necessário para a sua reserva em uma poupança é uma ótima ideia.

Então, a hora certa para começar a investir em ações pode ser o momento em que você já tiver em caderneta de poupança o valor referente ao fundo de emergência, mais o capital inicial que você deseja investir em ações – esse valor pode variar de uma pessoa para outra, para mim, acredito que seria um capital em torno de R$ 17.000,00. Outra excelente ideia é começar a investir em ações somente após um bom tempo aprendendo sobre elas, conhecimento este que pode ser adquirido por meio de livros e cursos. Frequente cursos gratuitos, mas também os pagos – muitas vezes, cursos gratuitos são versões reduzidas e simplificadas de cursos pagos, lançados com o propósito de incentivar o aprendiz a participar do curso pago.

A combinação conhecimento + capital inicial são mais do que suficientes para reduzir os riscos e aumentar sua perspectiva de lucros – claro, reduzem-se os riscos, mas não são eliminados completamente. E então, ainda há alguma dúvida sobre a hora certa para entrar no mercado de ações?

Aplicações financeiras – como obter sucesso?

Se você gosta do mundo dos investimentos e está aí, fazendo suas aplicações financeiras, mas não está muito certo quanto ao grau de sucesso que poderá obter por meio delas, não se preocupe: você não é o único. Há um grande número de investidores que se encontram nessa mesma situação, igual a você.

Neste artigo, comentaremos agora algumas estratégias e cuidados que o pequeno e médio investidor devem ter quando estão planejando e executando suas aplicações financeiras – principalmente se estas envolvem o mercado de ações.

Dica #1 – Uma maneira de reduzir o risco de investir dinheiro no mercado de ações é a prática da diversificação. Você pode fazer isso, investindo em uma ampla gama de empresas de tecnologia que sejam consideradas blue chips, por exemplo. Também investir algum do seu dinheiro em títulos. A maneira mais fácil de praticar a diversificação é a compra de fundos mútuos.

Dica #2 – Um fundo a considerar na hora de investir no mercado de ações é um fundo de índice. Os fundos de índice simplesmente acompanham um segmento do mercado, mais popularmente o S & P 500. É preciso muito pouco esforço e garante, ao menos, seguir o ritmo do mercado em geral. Estudos mostram que os fundos de gestão ativa em grande parte geralmente acompanham os resultados dos fundos de índice. É difícil bater o mercado.

Dica #3 – Entenda os riscos envolvidos no mercado acionário. Se você está acostumado a investir em fundos mútuos, entendemos que ações individuais é um risco maior. Se você não é o tipo de pessoa que está preparada para assumir um risco, fique com as empresas que têm uma boa situação financeira e que têm mostrado excelente desempenho das ações no passado.

Dica #4 – Investir gera melhores resultados quando se traça metas a longo prazo. Poucas pessoas terão sucesso em mover seu dinheiro de uma ação para outra tentando seguir as tendências dia-a-dia. A maioria das pessoas só acabam perdendo seu dinheiro e ficando frustradas. Olhe para as empresas sólidas ou fundos com uma longa história de bons retornos e permaneça nesse curso.

Bem, com essas dicas, espero que consiga muito mais sucesso em suas aplicações financeiras. Em breve estaremos publicando aqui outras dicas para quem deseja aplicar em outros ativos financeiros!

Dicas sobre o mercado de ações hoje

Investir pode ser um dos melhores jeitos de ganhar dinheiro, mas também pode ser um ótimo jeito de perder muito dinheiro. Quem deseja investir no mercado de ações hoje, por exemplo, não pode fazer isso de forma totalmente aleatória, precisa traçar uma boa estratégia e seguir certas dicas que ajudem a evitar certas situações de risco desnecessárias.

Por exemplo, quando fazendo assunções a respeito de valorizações de ações, seja tão conservador quanto for possível. Investidores em ações tipicamente têm um hábito de buscar projetar eventos atuais no futuro tentando descobrir se uma ação irão valorizar ou não. Se o mercado acionário está bom e muitas ações sobem, a tendência é acreditar que suas ações também subirão, vendo assim um futuro brilhante e maravilhoso para elas, mesmo que haja alguma volatilidade naquele meio. Sendo assim, é muito importante que analise de forma conservadora cada ação a fim de reduzir ao máximo a possível interferência externa que possa levá-lo a cometer certos erros em suas decisões.

Espalhe seu dinheiro, diversifique. Você precisa ter um portifólio que evite grandes perdas caso um tipo de indústria sofra uma crise. Por exemplo, se todas as suas ações são da indústria metalúrgica, elas podem desvalorizar-se bastante caso haja uma crise naquela indústria. Mas se você mantém ações de indústrias diferentes, você estará menos suscetível a um revés.

Se você é um investidor iniciante é importante que esteja pronto para perder um pouco de dinheiro em algumas negociações. Em um mercado como o acionário isso acontece bastante e se você não está preparado para aceitar isso, então é melhor não investir no mesmo. Muitos investidores não preparados acabam por entrar em pânico quando perdem em suas primeiras transações e acabam vendendo suas ações rapidamente, abandonando assim as chances de recuperar o seu dinheiro.

E normalmente é melhor investir em um número limitado de posições em que você esteja confiante, em vez de investir em um grande número de companhias. Pode parecer contrário à ideia de diversificar, mas não é. O fato é que você precisa encontrar um ponto de equilíbrio entre diversificar e consolidar a sua carteira de ações, tal que seja fácil de gerenciá-la sem arriscar-se demais.

Bem, como comentamos lá no início: investindo em ações você pode ganhar muito dinheiro, mas também pode perder. Tudo depende de como você investe no mercado de ações hoje, além de, claro, ter um pouco de sorte. Espero que as dicas aqui apresentadas possam ajudá-lo em sua jornada rumo ao sucesso financeiro.