Archive for Plano de Negócios

Quer ganhar dinheiro? Como é o seu dia de trabalho?

Se você possui um pequeno negócio, seja ele um trabalho realizado a partir de casa como freelancer ou afiliado, ou uma pequena empresa com escritório em algum prédio comercial, com certeza você espera ter algum resultado positivo ao final de cada dia. E apesar de que o mercado apresenta altos e baixos, você não pode considerar os momentos de “baixa” em seus resultados como algo comum em sua rotina. Afinal de contas, ninguém inicia um negócio pretendendo perder dinheiro! Você quer ganhar dinheiro, oras!

Certo, acho que consegui a sua atenção quanto a um problema que está afligindo muitos pequenos empreendedores, mas tudo o que muitos deles fazem é dizer que “é tudo culpa da crise”. Será? Pelo que eu saiba, o dinheiro continua circulando, então se você está ganhando menos alguns outros (poucos) estão ganhando mais, assim sendo, você precisa descobrir o que pode ser feito para reverter tal situação.

Aí eu lhe pergunto “como é o seu dia de trabalho?”. E eu estou falando sério! Conheço alguns donos de pequenos negócios que reclamam não estar ganhando o suficiente, mas que não estão se esforçando tanto quanto deveriam! Ficam atrás do balcão de suas lojas, simplesmente esperando a chegada de um cliente, quando poderiam, naqueles momentos ociosos de sua loja, estarem cuidando de tarefas de promoção de seus produtos, por exemplo enviando as novidades via Whatsapp, Facebook, Twitter, Google , Tumblr e uma infinidade de outras redes sociais! Poderiam também estar enviando cupons de desconto por e-mail ou planejando uma mega promoção a ser lançada em alguma data futura.

Infelizmente, muitos dos que deveriam ler este texto não o farão e, daqueles que o lerem, poucos tomarão alguma ação. Felizmente, isso se transforma em uma incrível oportunidade para aqueles que tomarem alguma ação, repensarem sua rotina e a tornarem muito mais produtiva! Lembre-se que um minuto que você gaste analisando ou promovendo seu negócio pode não trazer retorno algum, mas com certeza não fazer nada não trará!

Certo, agora que já estamos conversados (e espero que eu o tenha convencido), pergunto-lhe… Como é o seu dia de trabalho: (1) quanto ao planejamento de seu dia, (2) quanto à promoção de seu negócio e (3) quanto à prospecção de novas oportunidades?

Plano estratégico para criação de um negócio


Se você é proprietário de uma empresa, ou está pensando em começar seu próprio negócio, se você não tem um plano estratégico, então está destinado ao fracasso. A criação de um plano de negócios eficiente e eficaz pode significar a diferença entre ter a necessidade de trabalhar 70 horas ou mais por semana o ano todo – apenas para descobrir que seu negócio é apenas quebrar mesmo, ou pior ainda, perder dinheiro… – ou ser bem sucedido.

Na outra extremidade, muitos empresários bem sucedidos e empreendedores que criaram e implementaram uma estratégia de negócios geralmente trabalham menos horas e produzem uma renda mais significativa com boas margens de lucro. Você perceberá também que, em geral, aqueles que são bem sucedidos com seus próprios negócios, atribuem seu sucesso a ter um plano estratégico.

Ok, nós dissemos que ter um plano estratégico de um bom negócio é essencial, mas o que realmente é “gestão estratégica do negócio”? Na sua forma mais básica, é o processo em que as metas e objetivos para o seu negócio são definidas e um plano de ação é, então, criado para que você possa atingir suas metas e objetivos.

Você já sabe o que é. Assim como você pode criar um plano estratégico para seu negócio?

1) Qualquer empresário deveria saber e ser capaz de descrever em detalhes sua visão para o seu negócio. Qual é a imagem que você quer que seu negócio tenha?

2) Qualquer empresa operacional deve ter os valores da empresa claros e concisos e princípios orientadores. Por exemplo, quais são as razões seu negócio existir? Servir e proteger? Fornecer sabão de qualidade? E como você faz negócio? Você trata seus clientes como lixo ou como o foco de sua atenção?

3) Também seria uma boa ideia criar um plano para os próximos 3 anos e outro para 5 anos. Qualquer empresa deve implementar um plano de longo prazo em que a base esteja em objetivos amplos que irão ajudá-lo a começar o seu negócio a partir de onde está hoje, para onde você quer que negócio siga.

4) Pensar não só em longo prazo, mas também em curto prazo, irá ajudar muito o seu negócio a se desenvolver. Cada ano, você deve criar, definir e planejar objetivos específicos que, quando realizados, irão ajudá-lo na estrada para alcançar seus objetivos de longo prazo. Deve-se também notar que, em seguida, ao definir seus objetivos e planejamento anual, precisa ser bastante inteligente. Verifique se o seu planejamento incorpora os seguintes pontos:

  • Seja muito específico
  • Apresente formas de mensurar
  • Faça as metas realistas e atingíveis
  • Certifique-se de que são “orientadas ao tempo”

Inclua uma lista de obstáculos e barreiras que poderiam cercear seu sucesso em atingir seus objetivos. Em qualquer caso, para chegar aonde você quer seu negócio esteja requererá recursos. Crie uma lista de recursos que você já possui e quais são os outros recursos que você precisa para alcançar seus objetivos. Neste ponto, você também deve criar um plano de ação conciso que define claramente como você vai realmente alcançar os objetivos necessários. Se sua empresa tem empregados, é de grande importância envolvê-los com esta parte do processo de planejamento de negócios.

5) Em seu plano de negócios, você deve criar marcos simples e concisos, ou pontos de referência, que vão definir quando você tem realmente alcançado uma meta ou objetivo. Esta é uma parte essencial do planejamento, uma vez que irá permitir que você mensure seu progresso como um negócio.

6) Depois de ter criado o seu plano estratégico de negócios, é de suma importância que seja compartilhado com qualquer pessoa que estará envolvido no processo. Seu plano de negócios anual é o roteiro que levará o seu negócio e as pessoas envolvidas ao sucesso. E para isso, todos precisam ter mesmo mapa.

7) Não adianta ter um plano de negócios estratégico bem pensado, se você não o colocar em ação. Você agora tem um meio para começar a sua “viagem aos negócios”. Está na hora de iniciá-lo.

8) Certifique-se de regularmente verificar e comparar o andamento do seu negócio, principalmente os valores de referência definidos no seu plano de negócios.

Se algo correr mal com o seu negócio, quanto mais cedo você descobrir o que deu errado, ou o que está acontecendo errado, mais cedo você pode corrigir o problema, fazer os ajustes necessários e colocar o seu negócio de volta nos trilhos.

9) E, finalmente, garanta que a cada ano você segue o mesmo ciclo para criar o seu plano estratégico: Planejar, Executar, Verificar, Atuar Corretivamente (ciclo PDCA).

Como um comentário final, eu vou deixá-lo com isto: Criar uma estratégia de negócio e garantir que você a segue, não é apenas sobre a realização de metas e objetivos específicos. Seu objetivo é se certificar de que o caminho tomado até esses objetivos seja uma viagem segura e agradável.

Ter uma viagem segura é tão importante quanto chegar ao seu destino final.

Plano estratégico e a importância em seu negócio

Quem possui seu próprio negócio, já deveria saber que sem um plano estratégico não há como seguir de forma segura no mar bravio que é o mercado. Criar um plano de negócios que seja eficiente pode ser bastante trabalhoso, mas é ele quem vai garantir a diferença entre trabalhar 70 horas ou mais por semana e trabalhar uma jornada 50% menor, conseguir excelentes resultados e faturar bastante com isso. Já decidiu qual dos dois você prefere?

Empreendedores de sucesso sabem que podem contar com um plano estratégico – o seu plano de negócios, por exemplo – como importante ferramenta na geração de boas margens de lucro. E se analisar bem, todos os que se dizem bem sucedidos em seus nichos de atuação atribuem tal sucesso ao seu plano estratégico.

Certo, você já entendeu que é importante um plano estratégico, mas o que realmente quer dizer “gestão estratégica do negócio”? Podemos descrever de forma simplificada como sendo o processo por meio do qual as metas e objetivos são definidos e, a partir daí, definido um plano de ação.

E aqui vão algumas dicas para criar o seu plano estratégico:

  • Descreva em detalhes a sua visão de negócio, a imagem que você espera alcançar para o seu negócio;
  • Defina os valores e princípios de sua empresa. Por que sua empresa deve existir, como ela pretende contribuir? Produzir um determinado produto de forma mais acessível? Oferecer serviços de segurança particular?
  • Faça um plano estratégico anual, outro para três anos e outro para cinco. Toda empresa deve possuir um planejamento não somente para curto prazo, mas também para médio e longo prazo, e usá-los de forma concisa a fim de garantir que as metas sejam alcançadas;
  • Ao definir o seu plano, seja específico e coerente, utilize formas de mensurar resultados, crie metas realistas e garanta que elas são “orientadas ao tempo”;
  • Seu planejamento deve incluir também uma lista com todos os obstáculos que podem prejudicar sua progressão. Analise e inclua também uma lista de recursos que já dispõe bem como aqueles que necessita para o cumprimento de suas metas;
  • A fim de facilitar a avaliação do progresso em seu negócio, defina marcos simples e mensuráveis, cada qual relacionado a uma determinada meta ou objetivo;
  • Lembre-se de que seu plano estratégico de negócios não deve ser engavetado, mas posto em prática, e não somente por você, mas por todos os envolvidos com sua empresa;
  • Periodicamente, verifique o progresso de seu negócio, principalmente quanto aos valores de referência (marcos) estabelecidos em seu plano de negócios. Afinal de contas, quanto mais cedo você perceber possíveis desajustes nas metas e corrigi-los, melhor para o seu negócio;
  • E por fim não esqueça de utilizar periodicamente o ciclo PDCA (Planejar, Executar, Checar, Atuar Corretivamente) a fim de atualizar sempre o seu plano estratégico.

E agora, com todas essas dicas, sua viagem rumo ao sucesso em seu negócio deveria ser mais tranquila!

Venture capital no Brasil

Li hoje uma matéria que o website IG – Economia publicou há alguns dias atrás, sobre o fato de que o BNDES vai investir R$ 1 bilhão em private equity e venture capital. O que isso significa? Que mais empresas brasileiras poderão beneficiar-se de tais investimentos, reduzindo-se assim a necessidade de empréstimos – claro, há seus pontos positivos e negativos!

Mas o que é venture capital?

Talvez alguém esteja se perguntando aí, o que é venture capital. Bem, este é um termo que não usamos com muita frequência aqui em nosso blog, e sua definição é bem simples: venture capital (em português, capital de risco, mas o pessoal usa mais a expressão em inglês, mesmo) trata-se de uma forma de investimento em que se realiza a compra de participação societária em uma empresa, visando-se lucro por meio do crescimento desta.

Então, quando um investidor investe em uma empresa adquirindo participação societária, ele está praticando o que é chamado de venture capital. Diferentemente de um empréstimo, onde o credor cobrará o valor emprestado mais os juros ao final do prazo, no caso de venture capital o investidor será um dono do negócio e seu rendimento estará associado ao sucesso do mesmo.

Além disso, os investidores de venture capital geralmente possuem muita experiência em vários campos da parte administrativa de uma empresa, podendo então ajudar o empreendedor com todo esse know-how – algo às vezes vital para garantir a sobrevivência do negócio.

Então é perceptível que, para quem está pretendendo lançar uma nova empresa no Brasil, se está precisando de dinheiro e não está interessado em procurar empréstimos e financiamentos, um fundo de venture capital pode ser uma boa oportunidade – e é essa boa oportunidade que essa notícia do BNDES vem ampliar ainda mais.

E como anda o venture capital no Brasil?

Se você quer saber exatamente como anda o venture capital no Brasil, há um lugar onde você pode conseguir muitas informações: no site do governo brasileiro sobre venture capital. Sim, temos um website somente sobre isso, para que se possa ver a importância que o tema está recebendo atualmente. 🙂

No Brasil, o Finep é o órgão responsável por coordenar e orientar tanto empresas quanto investidores interessados em venture capital. Há inclusive aberturas de editais para que as empresas possam se inscrever e terem assim maior acesso a esse tipo de capital – uma iniciativa muito importante, que visa ajudar as empresas a melhor organizarem-se para tal finalidade.

Preciso de venture capital! O que faço?

Caso tenha se interessado pela ideia de conseguir venture capital, a primeira dica que posso oferecer é “varrer” todo o website do governo para conhecer ao máximo essa modalidade de investimento e, assim, ter certeza de que é isso o que você deseja para seu negócio.

Depois, é bom se apressar: ainda não lançaram o edital 2012, então você pode baixar o edital 2011, elaborar seu plano de negócios e escrever o documento exigido pelo edital. Assim, você terá mais tempo para revisar quantas vezes desejar seu plano e a documentação necessária para garantir que conseguirá o investimento necessário para o seu negócio.

Realmente preciso e conseguirei venture capital?

Boa pergunta. Investidores de venture capital estão à procura de empresas inovadoras, que saibam utilizar-se das melhores tecnologias, recursos e práticas dentro de sua área para irem além de suas concorrentes. Isso significa que se seu negócio não é fundamentado em torno de uma inovação, é certo de que você não conseguirá venture capital.

A antiga página de cadastro de empreendedores exibe muito bem informações sobre o perfil de empresa procurado. Vale a pena dar uma olhada também nesta página para saber mais se a sua empresa se enquadra no perfil esperado ou não.

E então, você está pronto para o desafio de criar a sua empresa com muito mais seriedade e solidez? E para você, amigo leitor, qual o panorama, hoje, do venture capital no Brasil?

Planejamento em marketing

Olá amigos! Se você possui um negócio, principalmente um negócio online, já deve ter percebido que muitas vezes é difícil seguir aquilo que você traçou no planejamento em marketing, aquilo que deveria ser a melhor forma de proceder nos negócios a fim de não somente promover o seu produto ou serviço, mas também manter um bom relacionamento com o cliente.

Tive a ideia de escrever tal artigo porque percebi que eu mesmo estava tendo tal problema! No último mês, minha receita nos negócios na Internet manteve-se estagnada (na verdade, com uma pequena queda) e a projeção para este mês é de uma queda um pouco maior, o que me deixou bastante preocupado: estamos trabalhando mais e ganhando menos! Por quê?

Minha primeira ideia foi desenvolver mais alguns novos websites, em novos nichos, e ver o que aconteceria. Por sorte, antes de realmente comprar os novos domínios, decidi fazer uma boa reflexão e percebi que não estava cumprindo todos os pontos reais que estavam no meu planejamento para o marketing! Alguns dos pontos que meu planejamento cobre são:

  • Focar no usuário final, o leitor, mas com um espaço interessante para quem deseja expor sua publicidade ali – percebi que estava focando muito no usuário final, porém o novo conteúdo sendo produzido não era tão interessante assim para quem quer expor seus produtos!
  • Article marketing deve ser realizado em camadas, proporcionando assim uma maior reputação a quem está na camada mais ao topo – devido à correria em que estou envolvido por aqui, acabei por ignorar a camada do meio. Só percebi o tamanho do erro quando percebi que os conteúdos promovidos de tal maneira não estavam tendo resultados tão bons quanto os anteriores;
  • Manter o foco em alguns poucos nichos, algo que seja possível administrar mais facilmente – acabei criando um “vício” de criar novos blogs e websites em nichos diferentes, o que acabou por prejudicar-me muito, já que torna ainda mais difícil conseguir bons resultados por estar mais disperso.

O que fazer agora? Corrigir tais problemas, claro!

  1. Focar em conteúdo que seja interessante para o usuário final mas que também possua boa ICO (intenção comercial) de tal forma que possamos continuar a escrever focados no leitor, mas sabendo que pessoas e empresas estarão interessadas em publicitar ali – o que viabilizará todo o negócio;
  2. Corrigir as falhas em minha estratégia de article marketing;
  3. Reduzir e muito o foco! Só para se ter uma noção, dentre os nichos que atuamos, escolhi somente um (saúde) e fiz uma análise geral das palavras-chave em que estamos no topo dos motores de busca e percebi que apesar de terem uma grande procura possuem muito pouca ICO. Para reverter tal quadro, escolhi palavras-chave que apresentem um boa ICO (muitas delas já possuem artigos em alguns blogs, mas não foram otimizados) e trabalharemos em cima dessas palavras-chave. Então, além de reduzir o foco quanto ao nicho, reduziremos também quanto às palavras-chave: nas próximas semanas, focaremos somente em 14 palavras-chave (nove devido ao volume de buscas, cinco devido a uma boa ICO).

É uma pena que somente agora, dia 18 deste mês, eu percebi isso, de tal forma que é muito provável que não percebamos os reais resultados que teremos com estas mudanças neste mês, mas somente no próximo, mas ao menos estamos no caminho certo.

Alguém poderia considerar que isso tudo que falei aqui só é interessante na área de blogging, mas estaria enganado! Se você possui uma loja virtual, você também precisará desenvolver uma estratégia, um plano de marketing, bem parecido com o que tenho desenvolvido para mim. Se você possui uma consultoria online ou atua como freelancer e possui um site para oferecer seus serviços, também precisará ter as mesmas preocupações que eu.

Claro, em cada caso, alguns ajustes são necessários, mas a ideia geral é a mesma e pode ser explorada por praticamente todos que atuam por meio da web. Se você possui um negócio online e não sabe o que poderia incluir em seu planejamento em marketing, aqui vão algumas ideias centrais:

  • Foco na escolha de boas palavras-chave (grande busca, baixa concorrência e se você está “vendendo” espaço publicitário, com grande intenção comercial também) fortemente relacionadas ao seu negócio;
  • Article marketing em camadas (conhecido por alguns como “em pirâmide” e por outros como “em rede” que, apesar de visualmente diferentes, o resultado final é praticamente o mesmo!);
  • SEO on-page e off-page.

Pronto, acredito que o recado está dado! Quem já possui o seu negócio online, já sabe o que fazer para melhor seu planejamento em marketing, quem não possui… Está esperando o que? 😉

http://www.nutricaoemfoco.com/2009/10/02/alimentos-light/

Franquias baratas para quem está começando

Você tem pouco capital inicial e não possui nenhuma brilhante idéia de negócio novo? As franquias baratas são uma ótima oportunidade para quem já decidiu tornar-se um grande empreendedor e quer aproveitar o amplo crescimento que este mercado está ganhando dentro deste mercado competitivo.

Foi pensando nesta nova tendência de mercado que preparamos este artigo para ajudá-lo a escolher um negócio que esteja dentro de suas condições financeiras ao mesmo tempo em que a idéia já esta pronta e você precisará apenas usar o seu espírito empreendedor para colocá-la em prática.

Estatisticamente as chances de falência de uma franquia são muito menores do que de uma micro e pequena empresa, segundo a ABF (Associação Brasileira de Franquia), mas é preciso estar sempre atento aos detalhes e acordos de contrato para evitar problemas futuros.

As opções de franquias baratas são inúmeras e é importante que você analise uma a uma antes de decidir-se em tornar-se um franqueado. E um detalhe muito importante: tudo depende de qual é o seu hobby e com qual você se identificará melhor. Resumindo: tem franquias baratas para todos os gostos e bolsos, mas se você não souber escolher, aquela frase “o barato sai caro” poderá servir para você e, lógico, não é isso o que queremos…Assim, se seu hobby é…

Treinamento e Cursos

  • Kumon

De acordo com uma publicação da revista Pequenas Empresas e Grandes Negócios, esta é a primeira da fila em comparação a franquias baratas.

Trata-se de um método japonês mundialmente conhecido pela técnica diferenciada em ensinar português, matemática ou línguas estrangeiras. Para investimento inicial é preciso em média R$10.900,00.

  • Petcursos

Está em terceiro lugar na lista da PEGN e trabalha com cursos profissionalizantes. Para investimento inicial é necessário R$19.500,00.

Idiomas

  • Escolas Fisk

É uma escola de idiomas que já está presente em vários lugares. Quem deseja investir deve ter um capital de R$55.000,00.

  • College Personal English

Seu diferencial como escola de idioma é que tem o foco voltado para (pré) universitários e profissionais. Para iniciar uma franquia dessas é preciso R$43.500,00.

Cosméticos

  • Essência do Perfume

É para quem gosta de perfumes e cosméticos e possui um investimento inicial de R$20.000,00.

  • Vita Derm Day Clinic

Trabalha com o ramo de cosméticos Vita Derm e tem um investimento inicial em torno de R$78.000,00.

Serviços financeiros e consultoria

  • Check Check

Ela está entre uma das cinco melhores franquias de serviços financeiros e consultoria em satisfação do franqueado e precisa de um investimento inicial de R$30.000,00.

  • Vilesoft

É uma rede de franquias desenvolvedora de software e soluções para gestão empresarial (ERP, CRM, BI). Para fazer parte da rede é preciso investir R$60.000,00 aproximadamente.

Serviços Gerais

  • Fitta Turismo e Câmbio

Tem sido uma opção de destaque entres as franquias baratas para quem gosta de serviços e produtos de câmbio de moedas estrangeiras. Se este é o seu caso, o investimento inicial é de R$35.000,00.

  • Tinta e Toner

Esta franquia trabalha no ramo de recargas de cartuchos. Para quem gosta desta área, o investimento inicial é de R$53.000,00.

Lazer

  • Poltrona 1 Turismo

Esta  rede trabalha com serviços de viagens e turismo. O investimento médio no inicio é de R$40.500,00.

  • Almanaque Revistaria

Para quem gosta de trabalhar com livros e revistas e possui um capital inicial de R$90.000,00, a Almanaque Revistaria é uma opção entre as franquias mais baratas do ramo.

Saúde e bem-estar

  • Emagrecentro

A Emagrecentro está na lista de franquias baratas com foco em clínicas e estética corporal. Inicialmente o investimento é de R$42.500,00.

  • Redeorto

Rede especializada em odontologia. É preciso um investimento inicial de R$75.000,00.

E aí, já sabe qual a melhor franquia barata pra você? Aquela que combina com o seu gosto e tamanho do bolso? Agora mãos a obra…

Se você já escolheu ainda tem um grande percurso pela frente.É hora de pesquisar um pouco mais sobre elas e pedir opiniões de especialistas e outros franqueados da rede. Antes de trabalhar em seu novo negócio é imprescindível que você conheça-o muito bem.

Use da sua capacidade de grande empreendedor e transforme uma das franquias baratas em um negócio de grande lucro e sucesso!

Não achou sua franquia? Esqueci de falar sobre o seu hobby? Concordo que são muitos e a rede de franquias baratas está crescendo bastante, mas é só falar o seu hobby que abordaremos em outro artigo, afinal…vocês que mandam!

Por Jeniffer Elaina

Você pergunta, o Clube do Dinheiro responde – parte 3

Olá amigos do Clube do Dinheiro! Como devem ter percebido, já se passou quase uma semana desde que publicamos o último artigo, e igual tempo desde que respondemos alguns dos comentários aqui! Sendo assim, hoje estarei respondendo mais um monte de comentários aqui, possivelmente solucionando algumas dúvidas ou ao menos ajudando a encontrar um possível caminho.

Como vocês já sabem, no “Você pergunta, o Clube do Dinheiro responde”, eu trago alguns comentários (alguns sendo dúvidas, outros não) e respondo aos mesmos.

Bem, para que demorar mais, não é? Temos muito pela frente, vamos lá!

Na hora certa para uma mudança na vida financeira!

Nossa amiga e leitora Suzy faz o seguinte comentário Livros para desenvolver sua educação financeira:

É a primeira vez que acesso este blog e o achei bastante atual e de interesse de todos. Quem,  hoje em dia, não precisa refletir sobre a necessidade de se praticar efetivamente a “Educação Financeira”? Após minha separação precisei rever muita coisa em minha vida, principalmente aprender a administrar minha vida financeira, o que a princípio foi bastante difícil, mas não impossível, e lendo seus artigos acredito estar no caminho correto e bem focada quanto ao controle dos meus gastos, e o que posso fazer para ter uma vida mais tranquila no futuro. Não sou tão jovem, mas, hoje, acredito que tudo ou quase tudo se pode quando se tem determinação e coragem. Obrigada pelos artigos e colocações importantes a respeito do assunto em foco. Um abraço!

Olá Suzy, tudo bem? Quanto à colocação a respeito da idade, não exige isso de jovem ou maduro demais para começar algo. Se você sente que as coisas precisam ser mudadas, faça. Acho que isso justifica, por exemplo, o fato de você sentir-se melhor ao perceber que ainda pode fazer as coisas diferentes, melhores, não é mesmo?

Fico feliz que esteja gostando do conteúdo deste blog e mais feliz ainda por ver que está conseguindo administrar as finanças. Se tiver alguma dúvida, se precisar de um “help”, um socorro, basta comentar aqui, ok? Teremos o maior prazer de ajudá-la – e mesmo que não saibamos a respeito, estudaremos, procuraremos uma solução, ok? 😉

A propósito, você pode aproveitar e estender os seus estudos por meio do curso de Finanças Pessoais, que apesar de ter sido interrompido, será retomado ainda esta semana!

O dinheiro deve trabalhar para nós!

O próximo comentário é do leitor Walter, no artigo O segredo para o sucesso – vendas:

Admiro a persistência e paixão do Kyosaki, eu acho que esse é o verdadeiro exemplo que ele dá a todo mundo. Há anos que leio muitos livros dele, leio até hoje porque o segredo do livro está nos detalhes acho que o pessoal esqueceu as regras básicas: OS RICOS NAO TRABALHAM POR DINHEIRO, O DINHEIRO TRABALHA PARA OS RICOS. Quero dizer que hoje é melhor você criar um negócio tal como ele começou e que compre outros negócios, para nós não há dúvida que é um sistema claro de produzir dinheiro o resto é que temos de saber mais sobre negócios não há dúvida tanto é que se notarem a pirâmide B-I é uma estrutura de um negócio. A outra que adorei e que ja provei e fiz num país de África como Angola e criar dinheiro estes dois pontos para mim são habilidades repito habilidades-chave eu vou ser rico e espero que vocês tambem meus caros compatriotas.

Olá Walter, tudo bem? Sinta-se à vontade aqui no Clube do Dinheiro!

Robert Kyosaki é, sem dúvida, um dos grandes nomes na área de Educação Financeira – tanto é que ele é um dos autores em que nosso curso de Educação Financeira se baseia. As ideias de Kyosaki são muito boas, mas é necessário tomar cuidado quanto às interpretações, a fim de evitar desentendimentos.

Em alguns de seus livros, ele apoia o uso de crédito a fim de alavancar negócios. Durante a grande recessão, alguns consultores financeiros criticaram-no, dizendo que tal pensamento é que levou a um dos motivos que desencadeou todo aquele problema financeiro a nível mundial.

Em minha opinião, não é o fato de utilizar o crédito, isto é, financiamentos, o verdadeiro responsável. Você pode utilizar-se de um financiamento para abrir uma empresa, adquirir um imóvel (seja ele para fins de negociação ou habitação) e outras coisas, e todas terão boas razões para o emprego de tal crédito. O grande erro é que muitos se esqueceram daquilo que ele afirma: “quando você realmente conhece um negócio, não há altos riscos”.

Em outras palavras, por mais que negócios sejam um dos tipos de ativos mais arriscados, se você sabe realmente o que está fazendo e está analisando as condições de mercado, então os riscos são bem menores do que aqueles que alguém corre quando o faz sem conhecer aquele tipo de empreendimento.

Além disso, você pode complementar o que aprendeu com ele lendo também obras de outros autores como Harv Eker, Tim Ferriss e Gustavo Cerbasi (se você mora no Brasil, fiquei na dúvida devido ao seu comentário). Jamais encare as palavras de um autor como sendo “o guia definitivo”, prefir utilizá-las como recomendações, juntamente com as recomendações de outros autores, preferivelmente com pontos de vista diversificados, ok? 😉

Mais um lendo Os Segredos da Mente Milionária!

Agora é a vez de Diego, tecendo seu comentário no artigo A diferença entre ganhos de capital e fluxo de caixa:

Estou gostando muito do seu curso sobre educação financeira, comprei o livro que você mais indica, Os segredos da mente milionária, estou esperando ele chegar para começar a ler, aqui no seu blog estou aprendendo muito, continue com esse seu ótimo trabalho! muito obrigado por disponibilizar um conteúdo tão valioso que é saber cuidar do seu dinheiro e saber como fazer ele trabalhar pra você! Muito obrigado, abraços.

Olá Diego e seja bem-vindo ao Clube do Dinheiro! Vejo que você fez uma importante aquisição – ao menos para mim, este livro é praticamente como um amuleto 🙂 . Harv Eker faz um trabalho excelente em seu livro e eu realmente encorajo a leitura do mesmo!

Estarei indicando aqui outros livros igualmente valiosos e, se tudo der certo, ainda este ano teremos finalmente a novidade que tanto quero – um “clube”, uma comunidade fechada onde será estimulada ao máximo a troca de informações interessantes, que possam ajudar todos a desenvolverem-se mais!

Quero abrir um negócio próprio!

Nossa amiga Flávia também participou de nossa “roda de comentários” e lançou a seguinte dúvida:

Olá boa noite.
Eu estou pensando em abrir um negócio próprio, mas ainda estou com dúvida quanto ao tipo de negócio. Penso a priori em uma loja de armarinhos ou vestuário. Não tenho bem certeza ainda, só sei que quero algo, que possa ao menos me proporcionar um pouco mais de tempo com meus filhos. Pois atualmente trabalho com gestão administrativa e financeira, e tenho mais de 15 anos de experiência nessa area, só não sei se dá para conciliar um com outro, acho que pelo menos saberei fazer um fluxo de caixa. Adorei seu blog e estarei estudando mais sobre ele e as novas oportunidades.
Grata por você compartilhar conosco seus conhecimentos.

Olá Flávia, tudo bem? Com certeza o fluxo de caixa você vai tirar “de letra”. 🙂

Mas sua primeira dúvida já é bastante pertinente e merece um bom estudo: qual tipo de negócio?

Você deveria buscar algo que:

  • Apresente um público-alvo alcançável e uma demanda suficiente para justificar entrada de capital suficiente para substituir, mais tarde, o seu emprego; (este deve ser seu objetivo, já que espera conseguir, por meio deste, um pouco mais de tempo com seus filhos)
  • Não necessite de uma estrutura muito complexa para sua execução. Tanto a loja de armarinhos quanto a loja de vestuário se encaixam bem aqui e principalmente a segunda trabalha com um tipo de produto que, hoje, é uma necessidade básica da população, o que é um ponto positivo, mas você precisa analisar se há demanda suficiente na área que justifique (no caso, o que apresentei no item anterior).

Após isso, você já deve ter uma ideia sobre o que pretende empreender. Os próximos passos são:

  • Estudar a proposta bem mais a fundo e elaborar um plano de negócios. Muitas pessoas torcem o nariz quando se fala em plano de negócios, mas este é um passo realmente importante – sem plano de negócios, você estará atirando no escuro!
  • Procurar uma unidade do Sebrae próxima de sua casa e informar-se melhor! Eles poderão informá-la melhor onde encontrar boas informações sobre o ramo em que deseja atuar (o Sebrae aresenta livros e cursos para a gestão de cursos em inúmeros ramos da indústria e do comércio), bem como orientá-la quanto a uma boa elaboração de seu plano de negócios.

Se, após a conclusão do plano de negócios, a sua conclusão é de que o negócio é inviável neste momento, então você deve voltar ao “ponto zero”, procurando outra oportunidade e avaliando a mesma, da mesma forma que descrevemos nos quatro pontos anteriores.

Amanhã responderemos mais comentários de leitores no “Você pergunta, o Clube do Dinheiro responde”, aguardem! 😉

Plano de negócios para reestruturação financeira

Mais uma boa tarde a todos os leitores do Cube do Dinheiro e aqui vamos nós a mais um artigo, desta vez um artigo respondendo ao comentário da leitora Fabiane, que faz a seguinte pergunta:

Olá, tenho que elaborar um plano de negócios de reestruturação na área de finanças, mas não tenho nada em mente. Teriam alguma sugestão para me dar?

Olá Fabiane, tudo bem? Se bem compreendi sua dúvida, você já possui a empresa aberta, mas necessita fazer uma reestruturação financeira na mesma e gostaria de alguma ideia sobre como melhor empregar o plano de negócios nesta tarefa.

Bem, vamos então falar sobre isso agora, ok?

Qual o papel da reestruturação financeira?

Toda empresa possui uma missão social, isto é, um objetivo a ser cumprido junto com a sociedade. No caso de uma panificação, por exemplo, trata-se de satisfazer a demanda por pães da vizinhança. No caso de uma grande empresa de tecnologia, pode ser satisfazer a demanda por ferramentas automatizadas de empresas de pequeno e médio porte.

Entretanto, além desse objetivo social há outro muito importante: o objetivo financeiro. Para que uma empresa “dê certo”, isto é, seja bem sucedida em seus negócios, é necessário que a entrada de capital seja superior à saída a cada mês. Tarefa que pode ser bem fácil de analisar e resolver se estamos falando de um empreendedor individual ou uma microempresa, porém quanto maior o número de variáveis (número de funcionários, produtos, concorrentes, tipos de públicos-alvo, etc.) mais complexo será determinar o motivo de um possível desequilíbrio econômico.

Um desequilíbrio econômico acontece toda vez que o ciclo operacional (que geralmente envolve muitos custos, como mão-de-obra, matéria-prima, distribuição, etc.) e o ciclo financeiro (onde se registam as entradas bem como outras saídas) não estão “andando lado a lado”. Com isso, torna-se cada vez mais difícil para o empreendedor projetar a situação da empresa no futuro bem como encontrar soluções para problemas de fluxo de caixa.

A reestruturação financeira visa, assim, oferecer um melhor controle sobre o faturamento e as diversas movimentações financeiras da empresa:

  • Contas a receber e a pagar;
  • Movimento caixa e bancário;
  • Fluxo de caixa.

Por meio dela, pode-se conseguir corrigir falhas operacionais ou administrativas a fim de maximizar o retorno dos investidores.

Fabiane, se a sua empresa passa por uma fase de alto endividamento e necessita de uma reestruturação financeira urgente visando resolver essa situação diante das instituições financeiras e dos investidores, o melhor a ser feito é procurar alguma orientação junto ao banco em que mantém o financiamento ou empréstimos para saber se o mesmo pode ajudá-la na reestruturação, pois alguns bancos oferecem tal possibilidade para os seus clientes buscando o melhor para todos (ou ao menos o melhor para eles, você sabe…). O Unibanco, por exemplo, apresenta uma página sobre reestruturação financeira onde apresenta detalhadamente as quatro fases bem como as principais atividades que você deveria executar em cada uma delas.

Entretanto, se a sua empresa não se encontra em estágio tão crítico “de  vermelho” e seu objetivo é analisar o desempenho da mesma e compreender falhas no controle financeiro a fim de melhorar o seu desempenho, este artigo pode ajudá-la nisso!

Pode-se empregar o plano de negócios na reestruturação financeira?

Sim! Da mesma forma que o plano de negócios pode ser empregado na abertura de uma empresa como uma forma de avaliar a viabilidade de um determinado negócio, podemos empregá-lo em uma empresa já existente para avaliar diversas características da mesma, como o seu desempenho financeiro e, assim, ter alguma ideia de como melhor reestruturá-la.

Fabiane, se você já possui um bom plano de negócios e o considera ainda válido para o atual cenário enfrentado por ela, você pode começar resgatando o mesmo e atualizando os valores necessários (concorrência, custos de mão-de-obra ou matéria-prima, etc). Caso você não possua um plano de negócios ou considere o mesmo demasiadamente desatualizado, o melhor primeiro passo é então elaborar um, parte por parte. Você pode tomar por base os artigos que aqui publicamos no curso Como ganhar dinheiro na Internet ou no curso Como abrir seu próprio negócio para isso, ok?

Durante a atualização ou elaboração do plano de negócios, você deverá focar principalmente na parte financeira. Como não sei qual a dimensão exata da sua empresa é um pouco complicado dizer-lhe quais os principais aspectos a serem considerados, mas é quase certo que entender bem o atual fluxo de caixa é o segundo passo mais importante que você pode dar agora.

Mas eu já faço o fluxo de caixa!

Há uma diferença muito grande entre preencher uma planilha financeira com um monte de números e entender o que ela diz! Ao estudar o seu fluxo de caixa, busque responder as seguintes perguntas:

  • Quais as principais fontes de entrada de capital? – Como podemos ganhar mais dinheiro explorando as mesmas fontes de entrada ou similares?
  • Por onde se esvai a maior parte do dinheiro recebido? – Custos com mão-de-obra? Aquisição de matéria-prima? Gastos com a distribuição ou com o marketing? É necessário saber quais são os principais gastos pois uma redução de 10% sobre aqueles gastos será muito mais significante do que uma redução de mesmo potencial em outro item de menor valor absoluto;
  • Quais partes do processo estão gerando custos desnecessários? – Outro ponto bastante importante, porém muitas vezes esquecido, é contrastar os resultados operacionais com os resultados financeiros e assim determinar que pontos do processo podem ser otimizados a fim de reduzir gastos.

As respostas a estas e tantas outras perguntas que porventura surjam deveriam ser registradas em um relatório, um diagnóstico da área financeira. Não escreva um relatório muito resumido, busque descrever ao máximo os resultados encontrados, problemas que levam àqueles resultados e possíveis soluções. E lembre-se que cada problema pode ter mais de uma solução: onde se vê corte de pessoal, por exemplo, pode-se considerar a hipótese de uma melhor realocação dos mesmos e um treinamento adequado de tal forma que os resultados alcançados sejam mais compensadores.

Agora, você já deveria ser hábil a unir toda a análise financeira feita anteriormente no plano de negócios com as informações do seu diagnóstico sobre a atual siguação financeira da empresa e tomar decisões quanto à mesma.

Caso ainda tenha muitas dúvidas sobre como proceder, há escritórios de consultoria financeira especializados em gestão empresarial e reestruturação financeira que podem ajudá-la nessa tarefa.

Plano de negócios e Trabalhar em Casa – duas novas seções no Clube do Dinheiro!

Olá amigos leitores! Hoje escrevo para notificá-los que abriremos duas novas seções (categorias, se assim preferir) em nosso blog!

A ideia, como você já deve imaginar, não vem “ao acaso” – muito verificamos antes a respeito de quais são as maiores dúvidas (bem como assuntos procurados) pelos nossos leitores e percebemos que muitos deles poderiam ser encaixados em duas grandes categorias: plano de negócios e trabalhar em casa.

Claro, não levamos em consideração somente nossos leitores, mas também analisamos tendências de mercado (isto é, outros blogs de assuntos relacionados) a fim de estarmos certos de que realmente valeria a pena tal esforço.

A seção plano de negócios trará informação não somente sobre como elaborar um plano de negócios, mas também exemplos de planos de negócios e artigos específicos sobre certas dificuldades que você possa ter na elaboração do seu.

Já a seção trabalhar em casa servirá como um guia para quem deseja ou já trabalha em casa, trazendo não somente informação e ferramentas para que melhor possa trabalhar em home office, mas também apresentando novas oportunidades de trabalho de forma remota. A propósito, próxima semana estarei escrevendo e publicando um artigo sobre uma oportunidade de trabalhar em casa, então, fique esperto se não quiser perdê-la!

Se prestarem bastante atenção, perceberão que estes são assuntos que nós já abordamos aqui em nosso blog em outros artigos, como o plano de negócios, que foi discutido aqui em quatro artigos. Mas o fato é que esperamos, com a criação destas categorias, centralizar toda essa informação em um lugar só, o que tornará muito mais fácil para quem busca mais informação sobre uma dessas categorias encontrá-la.

Devemos lembrar também que tal atitude não mudará nossos projetos anteriores: o curso Educação Financeira continuará seguindo normalmente, bem como retomaremos tão breve quanto for possível o Dicionário de Negócios e Finanças.

Talvez com esta nova inclusão, vocês conseguirão achar muito mais “como é na prática” em vez de somente “como é na teoria”, o que será mais um ponto positivo para aqueles que querem ganhar dinheiro.