Como ganhar mais dinheiro: com um negócio ou uma profissão?

Qual o melhor jeito para ganhar dinheiro: criando seu próprio negócio ou investindo em sua profissão? À primeira vista, muitos responderão que é manter o negócio e mesmo sabendo que esta é realmente a melhor opção, precisamos compreender a diferença entre os dois termos para entender por que tantas pessoas sabem a resposta, mas não conseguem pôr em prática.

Negócio ou profissão? Por que essa pergunta?

Acredito que todo mundo sabe (por experiência própria ou por já ter ouvido falar em algum lugar) que “o empregado não fica rico, quem enriquece é o empregador”. Mesmo assim, o número de negócios que entram em falência também é muito grande – e agora, qual o caminho a ser tomado?

Encontrei a resposta lendo “Pai Rico, Pai Pobre – o que os ricos ensinam a seus filhos sobre dinheiro”, livro que estou lendo agora (sim, um pouco atrasado, muitos já leram ele, mas não há bronca, o importante é “pegar o barco” 😉 ) e que recomendo bastante.

Nesse livro, o autor lança uma pergunta bastante interessante e que não é tão simples de ser respondida após analisar sob a ótica do mesmo: “qual o seu negócio?”.

Pode parecer óbvio que se você trabalha em uma lanchonete, seu negócio são lanchonetes, ou que se você possui uma livraria e trabalha nela, seu negócio é a livraria. Bem, Robert T. Kiyosaki mostra que ambas as respostas são falsas.

Segundo ele, o grande erro está na forma como cada pessoa encara o que é “ter seu próprio negócio”. Não é porque você trabalha em uma lanchonete que este é o seu negócio – será somente sua profissão. Por outro lado, se você é o dono mas também o funcionário, você não poderá exercer muito bem os dois papéis ao mesmo tempo.

O que é então ser o dono do negócio?

Para que se diga que você é realmente o dono do negócio e não transformar o mesmo em uma profissão (que irá consumir-lhe muito tempo, impedindo-o que possa se dedicar a outros negócios ou mesmo à expansão do atual), você precisa contar com profissionais competentes para ajudá-lo a fazer sua empresa/negócio crescer, consolidar-se.

E qual é o seu negócio?

Eis que após mostrar tanta informação ele pergunta se nós sabemos qual é realmente o nosso negócio. Bem, essa pergunta martelou em minha cabeça: minha profissão é bem fácil de descrever, pois sou professor universitário e desenvolvedor de jogos. Mas… e qual será o meu negócio?

Tenho um site onde lanço cursos na área de desenvolvimento de jogos. Sim, este deve ser o meu negócio, mas percebi que também sou o divulgador e instrutor do mesmo. Seguindo o que Kiyosaki falou, meu negócio deveria consumir o mínimo do meu tempo possível e atuar como instrutor com certeza não é a melhor forma de conseguir isso.

Possuo também blogs e outros sites, entretanto neles também é minha a “força motriz” que os faz funcionar – novamente, um “negócio-profissão”.

Percebo então que estou na mesma “armadilha de ratos” em que muitas pessoas se encontram, ao constituir seu próprio negócio onde é também o único ou principal empregado. Desta forma, cada novo negócio que crio, em vez de somar benefícios a mim, acaba por dividir ainda mais meu tempo disponível para tais atividades!

Na verdade, depois de muito pensar descobri um negócio em que estou e parece seguir bem o conceito ideal de Robert: eu tenho alguns investimentos em banco, gosto de atuar e estudar sobre investimentos (ele cita no livro que é muito importante que você goste daquilo que faz parte de seu negócio) e quem cuida disso para mim é o meu banco, onde eu somente acompanho resultados e tomo decisões-chave.

Quero salientar aqui que quando falamos de negócios, não importa (por enquanto, aqui, neste momento) se você só está ganhando R$ 1,00 (um real) ou R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais) por mês nele, o que estamos analisando é a organização do negócio, isto é, o seu papel nele, não o quanto você ganha nele!

E o que vale mais a pena: negócio ou profissão?

Se alguém me perguntar de onde vem a principal parte da minha renda, direi sem pestanejar que provém de minhas profissões, uma vez que muito pouco tempo tenho para dedicar aos negócios em que me meto (sou muito hiperativo, sempre estou interessado em começar algo novo 🙂 ).

Porém, quanto mais estudo o caminho trilhado por tantas pessoas que atingiram o sucesso financeiro e penso sobre isso, torna-se óbvio que constituir seu próprio negócio é fundamental para atingir seus objetivos financeiros, principalmente quando eles são altos.

Um negócio bem administrado e operado de forma adequada pode garantir-lhe uma rentabilidade bem maior que aquela esperada, por exemplo, em investimentos de renda fixa, sem o excesso de riscos que pode haver na aquisição de muitas ações, principalmente na atual condição em que o mercado se encontra.

Obviamente, como sempre, as coisas não são “um mar de rosas”, e assim como há vantagens, há também que se tomar cuidado com algumas coisas, como por exemplo o fato de que sendo você o dono do negócio, será o primeiro prejudicado caso o mesmo não tenha sucesso. Sendo assim, é necessário que se observe algumas coisas no momento em que se decide iniciar um negócio.

Dicas para quem está iniciando seu próprio negócio

1. Escolha algo que realmente gosta de fazer e aprender – não adianta investir em ações se você não gosta de estudar e acompanhar ações, pois caso comece a ter perdas, logo abandonará o negócio, por não se sentir satisfeito. Ao contrário, se seu negócio é o ramo de compra e venda de imóveis, mesmo que o preço dos mesmos caiam, você não se sentirá tão insatisfeito se você realmente gosta do que faz;

2. Atualize-se constantemente – o segundo maior erro (o primeiro é quanto a não gostar do que faz) que as pessoas cometem é justamente por não se atualizar quanto àquilo que faz parte de seu negócio. Se você não se atualiza, seu negócio também permanece desatualizado, seus consumidores, indignados ou indiferentes, procuram então outro local onde possa adquirir melhores serviços / produtos.

3. Procure profissionais competentes para ajudá-lo desempenhando tarefas dentro de seu negócio – delegar as tarefas certas às pessoas certas garante-lhe mais tempo livre para que possa entrar em contato com outras pessoas com papel-chave em sua empreitada, como fornecedores, inspecionadores, etc.

4. Cultive relacionamentos (sua networking) em seu negócio – manter contato com fornecedores, principais clientes e demais pessoas envolvidas ajuda a melhor definir qual estratégias preventivas, para expansão, etc.

Bem, e você, qual é o seu negócio, ou você o transformou em profissão? O que você faz para ganhar dinheiro?

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Quer receber nossos artigos em seu e-mail e "de quebra" baixar nossos e-books "Manual do Investidor" e "Como Ficar Rico - dicas, dúvidas e comentários"?

E-mail:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Email
Print