Cuidado – você está comprando gato por lebre!

É assim que estou me sentindo desde o fim de semana… Na última sexta-feira, recebi uma mensagem sobre a venda de um PLR Content Pack, um pacote de conteúdos PLR (Private Label Rights), isto é, que você pode utilizar como conteúdo em blogs, websites em geral, jogos, vídeos, apresentações etc. Não sou de me animar muito com tais pacotes (já adquiri pacotes com mais de 100 mil artigos, 500 trilhas sonoras, alguns e-books e agora estou usando o Stencil para criar imagens para redes sociais que tem sido uma mão na roda!), mas como o preço era bastante convidativo (USD 9.95) e anunciava possuir mais de um milhão de artigos (!!!), 5 mil imagens e 500 trilhas sonoras, acabei comprando.

Comprei pensando mais nas trilhas sonoras, pois como devem ter percebido, estou montando um grande banco de trilhas sonoras (pretendo voltar a trabalhar com pequenos projetos de jogos em breve), então poderia encontrar algo legal, não?

Comprei. Fui até o website e o conteúdo estava dividido em um montão de pacotes de 100 a 300 MB (acho que foram entre 30 e 40 pacotes – e até hoje não consegui baixar um dos pacotes com imagens de construções!). Baixei tudo o que podia (um dos arquivos está indisponível até agora) e desempacotei – e foi aí que começaram meus problemas…

Quanto às músicas, já testei alguns arquivos, verifiquei por duplicadas (CCleaner, você faz isso de forma gratuita para mim, você é dez!) e aparentemente estão todas OK (ainda não verifiquei se há duplicatas em relação às que eu já tinha, faço isso depois), quanto às imagens (stock photos), haviam várias duplicadas, mas mesmo após a exclusão dessas ainda há mais de 5.800 photos, então está tudo OK aqui também. O problema é quanto ao pacote de artigos: cada ZIP continha vários artigos e mais ZIPs que após descompactados apresentavam mais artigos e ZIPs que após descompacatos… já entendeu, né?

Sim, descompactei tudo. Sim, verifiquei tudo e foram encontrados centenas de milhares de arquivos duplicados. E pior: vários (milhares) dos artigos que não são duplicados apresentam mesmos títulos e tamanhos quase idênticos, mas não são acusados como idênticos, ou seja, suspeito que muitos deles são os mesmos textos só que trocando algumas palavras por sinônimos (algo bem fácil de se fazer se você tiver as ferramentas certas). Resumo da ópera: meu fim de semana e parte de minha segunda-feira (e um pouquinho da terça) foram gastos somente descompactando arquivos, para identificar vários arquivos duplicados e mais ZIPs para descompactar.

Pior é que ainda não verifiquei por cópias em relação aos conteúdos PLR que eu já possuía, pois é bem provável que quando eu verifique eu descubra que eu já possuía vários deles (talvez seja por isso que ainda não verifiquei, para não determinar exatamente quão trouxa eu fui na “escala Christiano”). Enfim, até agora me senti como quem comprou gato por lebre. Acredito que o vendedor poderia ao menos ter reorganizado os arquivos para não haver tantas cópias e tantos ZIPs, isso só dificulta o uso dos mesmos – e olha que trabalho na área de Informática, imagina então para quem é leigo no assunto! UPDATE: acabei de conferir e somente  59 trilhas sonoras são repetidas, considerando-se que o total é de 500 músicas, então desse ponto de vista foi um bom negócio.

Quanto à possibilidade de alguns (ou muitos) dos arquivos serem idênticos a outros que eu já comprei anteriormente, esse é um risco normal quando se compra grandes pacotes PLR, pois eles muitas vezes são montados a partir da aquisição de vários pacotes PLR menores (com o direito de revendê-los como PLR) e então revendidos. Só espero que eu tenha conseguido pelo menos umas 100 músicas novas!

Enfim, fiquei com a sensação de ter comprado gato por lebre. Só vou ter certeza se a compra valeu a pena ou não quando terminar de verificar os arquivos por duplicatas e organizar os artigos (está uma verdadeira bagunça e como vou fazer aos poucos, acho que até o fim do ano eu termino!).

“Vale a pena comprar grandes pacotes PLR?”, você pode estar se perguntando. Se você ainda não possui muito conteúdo PLR, está começando sua estratégia de marketing de conteúdo e já tem um plano para usá-lo (posso apresentar um aqui mais tarde), então vale muito a pena. Caso contrário, é bom se perguntar duas vezes para não acabar só jogando seu dinheiro fora.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Quer receber nossos artigos em seu e-mail e "de quebra" baixar nossos e-books "Manual do Investidor" e "Como Ficar Rico - dicas, dúvidas e comentários"?

E-mail:

3 comments

  1. Douglas says:

    Olá fazia tempo que não aparecia por aqui… Já vou logo me desculpando pela pergunta fugir do assunto do post.

    Sobre essa frase: “mesmos textos só que trocando algumas palavras por sinônimos (algo bem fácil de se fazer se você tiver as ferramentas certas).” eu gostaria de usar algo para artigos científicos serviria? Não é para plagiar é que eu tenho uma deficiência em repetir muito as palavras.

  2. admin says:

    Olá Douglas, tudo bem? Que bom revê-lo por aqui!

    Quanto à sua dúvida, não recomendo usar tais ferramentas (conhecidas como spinners – text spinners ou content spinners) para simplesmente pegar o artigo científico de outra pessoa e trocar as palavras por sinônimo, pois principalmente para textos em língua portuguesa (onde as bases de sinônimos e algoritmos para reescrita não são tão boas quanto para língua inglesa), pois não é muito difícil para ser identificado o plágio. Mas caso queira conhecer algumas dessas ferramentas, há o The Best Spinner, Spin Rewriter, Spinner Chief e WordAI, todos pagos e acredito que somente o The Best Spinner possui base própria de sinônimos em português (que por sinal não uso, já que eu mesmo criei a minha quando usava em projetos para fins de marketing de artigos). Há também opções online gratuitas, basta procurar.

    Agora, caso você tenha o costume de repetir palavras ou expressões em um artigo e queira somente buscar outras opções para as mesmas, as versões mais novas do Microsoft Word já possui ferramenta para identificar repetições excessivas de palavras e ela própria já aponta possíveis substitutas para as mesmas.

  3. Douglas says:

    Obrigado pela atenção. Como dito antes, a intenção não era plagiar, a questão é exatamente a que aborda no segundo paragrafo. Obrigado pelas dicas vou em busca desta versão do Word, acredito então que será o suficiente.

    Mais uma vez muito obrigado, aproveito ainda para renovar meus votos de estima e consideração. Desejo paz, saúde e sucesso sempre. Abraços.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Email
Print